Juventude em busca de sentido pra vida

17 de jun de 2017 às 18:42 | em: Sem categoria

Por Gilma Reis e Gilmara Reis

O segredo da eterna juventude é dedicar a vida a uma causa”!

Dom Hélder Câmara.

            A Juventude sempre foi e será uma fase muito importante em nossa vida.  Momentos de muitas descobertas, experimentos, descontração, alegria, coragem e muita euforia. No entanto, esta fase nunca foi fácil para se viver, pois a maioria dos jovens passam por momentos de muita tribulação, confusão e conflitos em seus pensamentos. Isso porque se busca a autoafirmação, uma vez em que perdemos o nosso corpo de criança, os pensamentos, os desejos infantis assim como a “proteção dos nossos pais”, e agora temos que nos virar para tocar o barco pra frente um pouco sozinho, afinal estamos entrando na adolescência, caminho para a via adulta e autônoma. Ufa! Quantas coisas em nossa cabeça!!? Quantas perguntas que não encontramos as respostas!!?  Quantos pensamentos acelerados? Quantos desejos de revolucionar!!? Quantas dúvidas sobre o mundo e sobre nós mesmos. Todas essas transformações são atribuídas as mudanças hormonais e o confronto com mundo  externo, que ao nos depararmos provocam em nós vários sentimentos que nos empurram para o confronto com as leis. Antes enxergávamos o mundo com os olhos de criança, mas agora sou um jovem que começa a ver a vida com os meus próprios olhos e por isso, quero fazer minhas escolhas, dá as minhas opiniões, e não aceito mais as opiniões dos meus pais, familiares professores entre outros, agora o que importa são as minhas opiniões e as opiniões dos meus amigos, que por sinal são muito intensas. O resto não importa o que importa são os meus desejos latentes, as minhas vontades e pronto.

É muito importante que os jovens tenham certa liberdade para viver esse momento tão importante, contudo, continua valendo a presença cuidadora dos seus pais ou responsáveis para o seu  próprio  bem, afinal, estes ainda não tem o juízo de valor amadurecido para lidar com as exigências da vida e pode ser levado pelas forças externas do mundo e influenciá-lo no caminho do mal e perder a sua própria vida.

Quem são os inimigos da juventude na atualidade?

Não é estranho vermos jovens espelhados por toda parte do Brasil e do mundo com os mesmos comportamentos, estes se assemelham: tatuagem, brinco na orelha, piercing, celular de última geração, roupas rasgadas,  cabelos pintados de todas cores, alimentação miojo,  grupos de jovens reunidos cada um no seu Whatsap,  fece boock,  trocando informações fúteis,  jogos eletrônicos entre eles a “baleia azul” consumo de bebida, sexo sem limite,  som alto, músicas fúteis, drogas lícitas e ilícitas,  noites  no computador,   trocam o dia pela noite, pais permissíveis, pais ausentes, depressão na adolescência e falta de suportes, violência, aventura com amigos longe da família,  morte prematura, rebeldia com os pais, professores e outras leis. Uma verdadeira falta de limites, ou seja, a busca pela liberdade suprema, a vida é minha e eu faço dela o que quiser e você não tem nada com isso!

Nada parece impactar a juventude, quase nada tem importância, nada os prende, experimenta-se de tudo, mas nada parece preencher o seu sentido existencial. A verdade é que não tem sido nada fácil para os jovens e seus  pais nos últimos tempos. Mas é fundamental que compreendamos que tudo tem uma razão por trás de todos esses comportamentos, nada é por acaso, nada é sem explicação, além das influencias fisiológicas desta fase, precisamos conhecer quem são os ladrões da nossa “Linda Juventude”. Em outros artigos, já mencionei os inimigos usurpadores da juventude, e mais uma vez retomo esse assunto que não se esgota.

Os falsos profetas são muitos que surgem em seus caminhos com o intuito de tirar proveito da fase da “Juventude”, os pérfidos vêm trajados por diversos personagens, fazendo-se de cordeiros, mas são verdadeiros lobos. São eles: empresários, traficantes de drogas e traficantes de pessoas, certos políticos, pastores maus intencionados, marqueteiros, meios de comunicações, vitrines iluminadas sedutoras, redes sociais, revistas e programas pornográficos, donos de bordeis, todos esses são verdadeiros manipuladores da juventude. Conhecedores das suas fragilidades e fantasias todos esses personagens se aproveitam para tirar proveito das juventudes, superfaturando na sua falta de maturidade do mundo secular.

Todo esse comportamento da sociedade moderna pela busca do lucro desenfreado se dá pelo modelo econômico do mundo capitalista neoliberal. Nesse modelo econômico, vale tudo, tudo vira mercadoria e objeto de lucro, inclusive às pessoas. Nesse caso, a liberdade do jovem fora da conotação comportamental disciplinar, empurra-os para um abismo sem fim, deixando-os a esmo em seu imaginário, nada se conclui e se fecha. Por tanto, os cuidados com aqueles que se aproximam da juventude deve ser dobrado, pois suas intenções são as mais perversas possíveis, “o verdadeiro pastor que quer cuidar de suas ovelhas, entram pela porta da frente, mas o lobo disfarçado de cordeiro entra pela porta dos fundos e pelas janelas, elas entram para roubar, destruir e matar as ovelhas”. Por isso, caros Jovens, tenham muito cuidado com estes personagens que se aproximam de vocês para lhes roubar o que vocês têm de mais precioso: A sua “liberdade!” Nesse sentido é fundamental identificar os verdadeiros “Gurus”, eles poderão orientá-los, em seu projeto de vida.  Para que possa realizar seus sonhos.

Depressão Juvenil e da Baleia Azul como o bode expiatório

 

São muitas as baleias “azuis” que hoje perseguem a juventude, a ausência familiar pode ser apontada como a maior de todas, muitos querem ter filhos, no entanto, poucos querem ter o trabalho de  cuidá-los e  de educá-los. A terceirização da educação dos filhos é a ponta do icebergue do comportamento dos jovens na atualidade, a falta do suporte da família e do estado, ausência de  políticas públicas, empurrão os jovens para diversas situações de morte, como as drogas, os jogos de alto risco, o consumo desenfreado, entre outros.

A depressão juvenil não é um problema da adolescência ela começa a se instalar num momento delicado e crucial da vida de todas as pessoas, principalmente na infância e é claro na adolescência. A depressão e demais transtornos surgem em momentos de vulnerabilidade, sobretudo, quando a dinâmica família não dá um suporte ou não assiste as necessidades das crianças e dos adolescentes em tempos oportunos, pois tudo se dá no processo de formação da personalidade que acontece de 0 a 7 de idade.  A família precisa oferecer condições para que as crianças e os adolescentes tenham estrutura para enfrentar os desafios da vida externa, portanto, os elementos fundamentais passam pela formação, construídos pela atenção afetuosa, limites na criação, valores harmônico do lar.

Os cuidados ambientais apontados pelo psicanalista pós Freudiano Winnicott, são de grande importância para que a criança não perca a esperança diante da vida para não se torne um delinquente juvenil. Nessa fase a família precisa oferecer um cenário de conforto emocional e de equilíbrio racional para a criança, para que ela cresça sabendo lidar com as emoções, principalmente, com as frustrações que fazem parte do viver.

Winnicott foi um dos primeiros autores a hierarquizar o papel da mãe no funcionamento mental da criança. Ele considerou que a mãe intervém como ativa construtora do espaço mental da criança. Santos (2008) diz que na teoria psicanalítica de Winnicott o ser humano não é apresentado como um objeto da natureza, mas sim como uma pessoa que para existir precisa do cuidado e atenção de um outro ser humano.

Dados da OMS

A Organização Mundial da Saúde – mostra que o Brasil aparece em 11º lugar no ranking de países com maior número absoluto de casos de suicídio. A cada 45 minutos, um brasileiro tira a própria vida: são 25 brasileiros que se suicidam por dia no país. O dado é mais preocupante quando se identifica que o suicídio é a 2ª maior causa de morte entre os jovens de 15 a 29 anos, de acordo com a ONG Centro de Valorização da Vida, uma das principais que monitora e estuda os casos no Brasil.

Como surgiu o Jogo da Baleia Azul

O chamado jogo da “Baleia Azul” foi originalmente idealizado na Rússia e se espalhou pelo mundo, por meio da internet. Nele, crianças e adolescentes são incentivados a cumprir missões e desafios macabros, em 50 etapas, que têm como objetivo final o suicídio do jogador. Os desafios vão desde a “assistir a filmes de terror” até automutilações, como “desenhar com estilete uma baleia no braço”. As regras vão aumentando o perigo a cada etapa, a fim de desafiar o jovem a identificar se quer, de fato, tirar a própria vida, que é o último desafio da brincadeira sem graça”.

As crianças e os jovens precisam de cuidados para poder tornar-se seres mais saudáveis e no futuro poderem tocar suas vida pra frente. “De qualquer modo, sejam motivados pela depressão ou porque decidiram entrar em um jogo de desafios macabros, muitos jovens hoje são potenciais suicidas. O fato de ter se mantido o tabu sobre o tema por muitos anos não adiantou, pelo contrário, só agravou a situação. “Os adolescentes sentem que não precisam ou que não podem conversar sobre esse desejo de tirar a própria vida por medo de julgamentos na família e entre amigos, na escola, no bairro”, defende a psicóloga Joelina Abreu”.

O desemprego e a falta de esperança do Jovem

O modo contemporâneo de estabelecer as relações sociais delimita  cada vez mais as exigências e as necessidades do mercado, as mesmas se caracterizam por um elevado grau de competitividade, de grande concorrência e qualificação para tal  e isso contribui para um alto índice de evasão escolar, sobretudo no ensino médio, pois os jovens não visualizam perspectivas futuras, então são tomado pelo desanimo. Nesse sentido, o jovem fica com o seu projeto de vida fica a esmo e seu sonho comprometido.

Pesquisas mostram que os jovens de baixa escolaridade são os mais afetados, esse fator pode colocá-los fora do mercado de trabalho e empurrá-los para o mundo da criminalidade, as pesquisas ainda apontaram que os jovens pesquisados, quando provocados a refletir sobre suas possibilidades de mudanças futuras, manifestaram interesse em melhorar suas condições de vida mediante o aumento da escolarização e da qualificação.

No entanto, estes não são os únicos responsáveis pelas mudanças possíveis, mas sim, o poder público, a família e a sociedade, pois tais mudanças passam por complexidade da situação. Podemos apontar as políticas públicas como uma das norteadoras dessas mudanças, a escola, os grupos sócias de jovens, “Coletivos de Jovens, pastorais de juventude, grêmios, grupos artísticos, grupos de estudos e pesquisas”. A escola deve ser esse espaço de contribuição para que os jovens tenham perspectivas futuras.

Jovens buscando um sentido existencial

A vida precisa de um sentido para existirmos, todos nós precisar cultivar algo que alimente a esperança e a alegria em nossa vida, não podemos viver uma vida sem rumo, temos que encontrar a nossa missão vocacional neste mundo, afinal ninguém veio ao mundo para não fazer nada, todo  nós somos chamados por Deus criador a realizarmos uma missão e assim completar a nossa jornada neste mundo.

As pesquisas realizadas em várias partes do mundo apontam que os motivos pelos quais os jovens mergulham no universo das drogas, sexo sem limites e  outros comportamentos que os conduzem situações de  morte, apresentam falta de sentido na vida. Esse comportamento atinge jovens de todas as classes na sociedade, localidade e raças. É verdade que as tecnologias têm ajudado o mundo, mas, a mesma também tem trazido vários problemas para a humanidade, influenciando diretamente em nosso comportamento, afetando os nossos pensamentos e sentimentos, nos transformando em verdadeiros robóticos.

Não se trata de uma vida de sucesso ou de fracasso, mas de sobrevivência a busca pelo sentido da vida. Para Einstein o homem que considera a sua vida sem sentido, não é simplesmente um infeliz, mas alguém que se adapta à vida. As coisa mais idôneas para a sobrevivência nos campos de concentração eram orientadas para o futuro que a pessoa iria esperar e que durante a espera era um projeto que lhe daria um sentido de vida sobre algo que iria realizar, pois a sustentação de uma pessoa diante do extremo, para superar tal momento difícil é necessário ter uma consciência de que a vida tem um sentido a ser realizado, ainda que seja no futuro.

Pois sentido e propósito são condições necessárias para a nossa sobrevivência, milhares de jovens morrem por falta de propósito e projetos bem definidos em suas vidas. O mundo das facilidades e futilidade lhes seduz e os levam para uma vida sem sentido, enquanto que outros enfrentam os desafios de cabeça erguida.

O homem e a mulher têm a capacidade de enfrentar os desafios do mundo, descobrindo e realizando seus projetos e propósitos, ainda que estejam em uma situação de vida diante da morte, ainda que seja diante de uma câmara de gás.  Nesse momento é possível nascer do sofrimento algo imaginável, uma nova consciência maior, capaz de incondicional os sentido da própria vida, pois a existência humana depende da nossa capacidade de transcender o nosso próprio “eu”, e nos valorizar, pois nem tudo esta perdido, nem tudo esta acabado. Quando enxergamos a nós mesmos, veremos as nossas virtude e fraquezas.

O psiquiatra Viktor Frankl (1989), afirma que procura sempre um significado para a vida. Ele está sempre se movendo em busca de um sentido de seu viver. Pois a vontade de sentido deve ser um interesse primário do ser humano.

A importância do transcender

O ato de transcender é fundamental para aliviar a nossa alma das angustias e todos nós temos essa necessidade, sairmos de nós mesmo. A transcendência está associada ao fato de atravessar os nossos limites, um caminho que percorremos para o além do nosso “eu” humano. A transcendência está relacionada com aquilo que está além do mundo natural que vivemos. O transcendente está associado ao imortal, ao sublime e ao essencial, alcançamos o que está fora dos limites que impõe o corpo humano, é um estado espiritual e filosófico que nos leva a viajar pelos saber acima das nossas capacidades humanas, é sairmos do noss  egocentrismo para conviver com os outros, nos doando em suas necessidades e assim nos alimentando de sentido para a vida. A busca pela transcendência tende a relacionar-se com uma tentativa de se aproximar de Deus através da meditação, reflexão e da oração. A transcendência implica reconhecer que somos seres mortais e que existe um caminho para permanecer no tempo e o espaço que está fora de nós mesmos.

A meditação transcendental (uma técnica mental que visa relaxar e desenvolver plenamente o potencial mental e físico) é uma das formas de alcançar a transcendência. Amar alguém, se dedicar a um asilo, uma creche, grupo de jovens, dedicar-se à natureza, conhecer novas realidades, ter novas amizades fora do meu ciclo rotineiro, acolher a quem precisa, animais etc.

 

A complexidade da vida nos empurra para vivermos momentos de reflexão, oração e meditação, uma vez que somos seres espirituais, a nossa alma necessita de momentos que nos aproximem mais de Deus e de nós mesmos, nos despindo da vida material. Nesse sentindo é fundamental buscar uma religião ou filosofia de vida que nos ajude a meditar sobre a nossa existência nesse mundo.

 

Elaborando o projeto de vida

O projeto de vida é fundamental para percorrer o nosso itinerário, ele é a ferramental principal, pois nos oferece uma perspectiva de futuro que contempla a possibilidade do nosso crescimento formativo e de acesso a um patamar de inserção na sociedade, nos ajuda a combate à pobreza conscientemente, em prol do seu bem e do bem de outrem.  O projeto de vida é, ao mesmo tempo, o momento que integra em seu interior a subjetividade e a objetividade é também o momento que funde num mesmo todo, o futuro previsto e o passado recordado.

“O projeto é a antecipação no futuro dessa trajetória e biografia, na medida em que busca, através do estabelecimento de objetivos e fins, a organização dos meios através dos quais esses poderão ser atingidos. […] O projeto e a memória associam-se e articulam-se ao dar significados à vida e às ações dos indivíduos, em outros termos, à própria identidade” (Velho, 1994, p. 101).

É pelo projeto de vida que construímos para nós um futuro desejado, esperado, superando os desafios proposto pela dinâmica do existir. O projeto de vida é a antecipação no futuro dessa trajetória, na medida em que se busca, através do estabelecimento dos objetivos, a organização dos meios através dos quais esses poderão ser atingidos. Por isso, o projeto de vida é mais que a memória associada e articulada ao significado da própria vida assim como as ações dos sujeitos, voltada para a construção da própria identidade.

Por tanto, falar do projeto de vida é falar de possibilidades de vir a ser e de se construir sujeito de direito, é ter sua própria identidade futura possíveis, a partir de suas relações sociais, históricas de vida singularizada na dinâmica dessas relações culturais que é dado a dada um, como possibilidade de mudança e, portanto, de futuro não reproduzido, copiado mas construído. Sendo assim, o passado e o presente são dimensões que preparam o futuro, afirma Soares (2002, p. 76). Por isso jovem, é importante você descobrir qual é a sua missão nesse mundo, o que mais você se sente chamado a realizar e assim fazer sua historia acontecer.

 

Referencias bibliográficas:

Frankl, Viktor E. Um sentido para a vida: psicoterapia e humanismo/ Viktor E, Frankl; (traduaçao Victor Hugo Silveira Lapenta). – Aparecida SP: 1905.

Editora  Santuário, Soares, D. H. P. (2002). A escolha profissional: do jovem ao adulto. São Paulo: Summus. 1989.

Velho, G. Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (1994).

https://psicologado.com/abordagens/psicanalise/introducao-a-teoria-de-winnicott .

http://seer.psicologia.ufrj.br/index.php/abp/article/view/723/587.

http://m.acordacidade.com.br/noticias/175940/depressao-e-falta-de-suporte-na-adolescencia-tem-levado-muitos-jovens-ao-suicidio.html.