Mundo

Médico usa frascos de xampu e salva 600 bebês com pneumonia

17 de out de 2017 às 16:44 | em: Filantropia,Mundo

Foto: Reprodução

A criatividade que salva. Um médico criou uma engenhoca barata, feita com embalagem de xampu, para salvar bebês com pneumonia. Pelo menos 920 mil crianças morrem anualmente da doença, que faz com que seus pulmões parem de absorver oxigênio. O médico Mohammod Jobayer Chisti, de Bangladesh, na Ásia Meridional, inventou um equipamento que usa apenas frascos de xampu e tubos de plástico, para ajudar essas crianças a respirar. É um ventilador mecânico de R$ 4, infinitamente mais barato que convencional, que custa cerca de R$ 47 mil. E o melhor: testes feitos em Bagladesh mostram que ele é capaz de reduzir mortes em até 75%.

Como

O equipamento de baixo custo armazena as bolhas que se formam na água e faz aumentar a absorção de oxigênio pelos bebês. Dessa forma ele aumenta as chances de sobrevivência em casos de pneumonia aguda. O aparelho de Jobayer Christi já ajudou mais de 600 crianças. O médico espera que o equipamento salve outras milhares de vidas. A criação foi mostrada na série Innovators, da BBC, produzida com financiamento da Bill and Melinda Gates Foundation.

Guerra nuclear pode começar a qualquer momento, diz Coreia do Norte na ONU

17 de out de 2017 às 15:33 | em: Coreia do Norte,Mundo

Foto: Reprodução

A situação na península coreana está cada vez mais crítica e uma guerra nuclear pode começar a qualquer momento. A declaração é do embaixador adjunto da Coreia do Norte nas Nações Unidas, Kim In Ryong, que participou nesta segunda-feira (16) de uma reunião no comitê de desarmamento da Assembleia Geral da ONU. Segundo ele, a Coreia do Norte é o único país do mundo que foi submetido a “uma ameaça nuclear tão extrema e direta” dos Estados Unidos desde os anos 1970. “Todo o continente americano está dentro do nosso alcance de disparo, e se os Estados Unidos se atreverem a invadir nosso território sagrado, uma polegada sequer, não escaparão de punição severa em qualquer parte do globo”, disse Ryong. De acordo com o G1, a advertência vem após ameaças crescentes entre Coreia do Norte e Estados Unidos, e sanções cada vez mais duras da ONU contra o país asiático. A Rússia já está restringindo laços econômicos e científicos com a Coreia do Norte, e a União Europeia anunciou novas sanções contra Pyongyang pelo desenvolvimento de armas nucleares e mísseis balísticos. O embaixador adjunto do país nas Nações Unidas disse ainda que a guerra só não seria declarada se a política hostil e a ameaça nuclear americana forem “completamente erradicadas”. “Nunca colocaremos nossas armas nucleares e foguetes balísticos na mesa de negociação, sob nenhuma circunstância”, disse. Ele disse ainda que o país esperava um mundo sem armas nucleares, mas todos os estados estão acelerando a modernização de suas armas e revivendo uma corrida armamentista que lembra a guerra fria. “[Enquanto os Estados UNidos] constantemente ameaçarem e chantagearem a Coreia do Norte com armas nucleares, não estamos em posição de aderir ao tratado”, reforçou.

Número de mortos e feridos em atentado na Somália supera 500

17 de out de 2017 às 11:07 | em: Mundo

Foto: Reprodução

O atentado com dois caminhões-bomba cometido no último sábado (14) por supostos integrantes do grupo jihadista Al Shabab na capital da Somália, Mogadíscio, matou mais de 200 pessoas e deixou mais de 300 feridas, confirmaram à Agência Efe fontes dos serviços de saúde do país. Os hospitais, escassos de medicamentos e sangue, estão superlotados de feridos. O ataque ao Safari Hotel e a um movimentado mercado da cidade é o pior já ocorrido na história do país com base no balanço de mortos, que ainda pode aumentar.Al Shabab, que em 2012 se filiou à rede internacional da Al Qaeda, controla parte do território no centro e no sul do país e tenta instaurar um Estado islâmico wahabista na Somália.

Homem passa 23 anos na prisão por erro da justiça

16 de out de 2017 às 16:59 | em: Mundo

Foto: Reprodução

Um homem de 41 anos condenado por erro por duplo homicídio foi libertado nesta sexta-feira (13) de uma penitenciária do Kansas, no centro dos Estados Unidos, após passar 23 anos preso. Cercado por câmeras de TV e jornalistas, Lamonte McIntyre abraçou sua mãe pela primeira vez como um homem livre em 23 anos. A ONG Injustice Watch revelou que as primeiras palavras de McIntyre, um homem negro, foram “é lindo aqui fora”. McIntyre havia sido condenado quando tinha apenas 17 anos com base em depoimentos de testemunhas que depois se retrataram. O novo promotor encarregado do caso disse nesta sexta-feira que a nova informação coloca em xeque a identificação de McIntyre como o assassino. “À luz desta informação (…) meu gabinete está pedindo à Corte que determine que existe uma injustiça manifesta”, declarou o promotor do condado de Wyandotte, Mark Dupree. A investigação original sobre o tiroteio, ocorrido em pleno dia, jamais estabeleceu um vínculo entre McIntyre e as vítimas, segundo o “Washington Post”. “Ocorreu uma investigação apressada e superficial”, disse Innocence Project, que ajudou a libertar McIntyre, que sempre alegou inocência.

Governo confirma ao menos 277 mortos e 300 feridos em atentados na África

16 de out de 2017 às 10:37 | em: Mundo

Foto: Reprodução / CNN

Ao menos 277 mortos foram confirmados no duplo atentado em Mogadíscio, capital da Somália, no leste da África, ocorrido no último sábado (14). De acordo com a rede CNN, o Ministério da Informação somali informou que 300 pessoas feridas ainda continuam em hospitais após os ataques com caminhões-bomba. Entre os feridos, 40 foram encaminhados por meio aéreo à Turquia para tratamento. Até agora nenhum grupo terrorista reclamou a responsabilidade sobre os atentados.

Família que estava sendo mantida refém pelos talibãs durante 5 anos é libertada

12 de out de 2017 às 13:43 | em: Mundo

Foto: Reprodução

Uma mulher norte-americana, seu marido canadense e os três filhos foram libertados do cativeiro pelas forças de segurança paquistanesas, quase cinco anos depois de serem tomados como reféns pelos talibãs no Afeganistão. As informações são da rede norte-americana CNN. O anúncio veio de uma declaração do exército paquistanês e foi confirmado por oficiais dos EUA. O casal, a norte-americana Caitlan Coleman, de 31 anos, e seu marido, Joshua Boyle, de 33 anos, foram sequestrados pelos talibãs em 2012, enquanto viajavam a turismo pelo Afeganistão, e estavam em cativeiro desde então. Caitlan estava grávida quando foi sequestrada. O casal teve mais dois filhos no cativeiro. Em uma declaração, o exército paquistanês disse que as agências de inteligência dos EUA estavam rastreando os reféns e compartilhando informações com o Paquistão quando a família foi transferida para o país. Funcionários dos EUA confirmaram que havia informações sobre a localização deles nos últimos dias que foi compartilhada com os paquistaneses. Nas primeiras horas após a sua libertação, a família ainda estava no Paquistão, enquanto os acordos estavam sendo feitos para devolvê-los aos EUA ou ao Canadá. “A operação das forças paquistanesas, baseada em inteligência das autoridades dos EUA, foi bem-sucedida, todos os reféns foram recuperados sãos e salvos e estão sendo repatriados para o país de sua origem”, afirmou o comunicado. “O sucesso ressalta a importância do compartilhamento de informações em tempo hábil e do compromisso contínuo do Paquistão em combater essa ameaça através da cooperação entre duas forças contra um inimigo comum”, disse. O presidente norte-americano Donald Trump disse que a libertação da família é um momento positivo para a relação dos EUA com o Paquistão, segundo comunicado da Casa Branca. É possível que o resgate bem-sucedido da família seja o mencionado na quarta-feira (11) pelo presidente americano, que disse a uma multidão na Pensilvânia que “algo aconteceu hoje, em que um país que totalmente nos desrespeitou deu notícias muito importantes”. Trump não revelou o país ou qualquer detalhe envolvido, mas disse que “um dos meus generais entrou e eles disseram, você sabe, eu tenho que lhe dizer que, um ano atrás, eles nunca teriam feito isso”. “Este é um país que não nos respeitou, este é um país que nos respeita agora. O mundo está começando a nos respeitar de novo, acredite”, disse Trump, parecendo citar o Paquistão e o papel do país em promover a recuperação dos quatro reféns.Funcionários da inteligência dos EUA acreditavam que o casal estava sendo mantido no cativeiro pela Rede Haqqani, um ramo dos talibãs responsável por alguns dos ataques mais violentos e sofisticados do grupo. Em dezembro de 2016, o comandante das forças dos EUA no Afeganistão, o general John Nicholson, disse que a Rede Haqqani matinha um total de cinco reféns americanos. O Talibã lançou um vídeo “prova da vida” com a família, em dezembro, onde Caitlan se dirigiu ao então presidente Barack Obama e depois ao então presidente eleito Trump, dizendo que os talibãs “não vão simplesmente libertar nossa família facilmente, porque é correto. Eles querem dinheiro, poder e amigos … Dizem que há afegãos presos em Cabul com os quais esses homens se preocupam”. Os talibãs continuam a manter outros reféns ocidentais, incluindo o americano Kevin King, de 60 anos, e australiano Timothy Weeks, 48 anos. Ambos estavam trabalhando como professores na Universidade Americana do Afeganistão, em Cabul, quando foram sequestrados de um veículo em agosto de 2016. Logo depois, as Forças de Operações Especiais dos EUA tentaram resgatar os dois professores, mas os reféns não estavam no local onde as tropas acreditavam ser o cativeiro. Acredita-se que um outro americano esteja sendo mantido refém no Afeganistão ou no Paquistão: o escritor Paul Overby, de 70 anos.

Charles Chaplin; alegria e arte do eterno Carlitos – artigo de Maria de Sousa

11 de out de 2017 às 09:53 | em: Mundo

Foto: Ilustração

“Não fique triste quando ninguém notar o que fez de bom. Afinal, o sol faz um enorme espetáculo ao nascer, e mesmo assim, a maioria de nós continua dormindo”  ― Charles Chaplin. Na data de 16 de abril de 1889, nascia na cidade de Londres, Charles Spencer Chaplin,  ator, diretor, produtor, humorista, empresário, escritor, comediante, dançarino, roteirista e músico. Na era do cinema mudo, Chaplin foi um dos seus atores /diretor mais expoente, sobressaindo-se pela prática de mímica e da comédia pastelão entrecortada de  cenas de intensa sensibilidade e emoção. Seus filmes: O Imigrante, O Garoto, Em Busca do Ouro (este, para ele, seu melhor filme), O Circo, Luzes da Cidade, Tempos Modernos, O Grande Ditador, Luzes da Ribalta, Um Rei em Nova Iorque e A Condessa de Hong Kong, o tornaram  famoso no mundo inteiro. Carlitos (The Tramp – O Vagabundo) foi seu personagem mais famoso: “consiste em um andarilho pobretão que possui todas as maneiras refinadas e a dignidade de um cavalheiro (gentleman), usando um fraque preto esgarçado, calças e sapatos desgastados e mais largos que o seu número, um chapéu-coco ou cartola, uma bengala de bambu e – sua marca pessoal – um pequeno bigode-de-broxa” (in Wikipédia). Sua  arte expessava a alegria através de suas mímicas executadas com muito talento e criatividade. “Se tivesse acreditado na minha brincadeira de dizer verdades teria ouvido verdades que teimo em dizer brincando, falei muitas vezes como um palhaço mas jamais duvidei da sinceridade da plateia que sorria” – Charles Chaplin. As mensagens deixadas em seus filmes, ao mesmo tempo em que faz duras  críticas sociais, nos ensina a importância da  alegria para entender e enriquecer nossas vidas.  “O assunto mais importante do mundo pode ser simplificado até ao ponto em que todos possam apreciá-lo e compreendê-lo. Isso é – ou deveria ser – a mais elevada forma de arte” – Charles Chaplin. Recebeu, ainda em vida, muitas homenagens por sua grande contribuição ao desenvolvimento do Cinema, sendo condecorado pelos governos: britânico – Cavaleiro do Império Britânico – e  francês – Légion d ‘Honneur; também pela Universidade de Oxford – Doutor Honoris Causa –  e pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos  – Oscar especial pelo conjunto da obra, em 1972. Faleceu em Corsier-sur-Vevey, na Suíça, no dia 25 de dezembro de 1977. Concluindo, deixamos para engrandecer nossa vida, estes belos pensamentos: “Estou sempre alegre. Essa é a melhor maneira de resolver os problemas da vida” – Charles Chaplin. “Bom mesmo é ir à luta com determinação, abraçar a vida com paixão, perder com classe e vencer com ousadia, por que o mundo pertence a quem se atreve. E a vida é muito bela para ser insignificante” ― Charles Chaplin.

Viva Charles Chaplin!

Maria de Sousa
Advogada, Araciense e Colaboradora do site “A Voz do Campo” –
Direto de São Paulo – SP

 

Cães terapeutas confortam sobreviventes do massacre em Las Vegas

08 de out de 2017 às 08:06 | em: Filantropia,Mundo

Foto: Reprodução

Cachorros terapeutas foram levados pela Igreja Luterana para confortar sobreviventes do atentado em Las Vegas, nos EUA. Os cães tem visitado escolas, pessoas internadas no Sunrise Hospital and Medical Center e feito vigílias em homenagem aos mortos. São 19 golden retriever que estão lá para ajudar as famílias a suportarem esse momento difícil. “Os cães tem um ótimo senso para perceber quando as pessoas estão feridas”, afirmou Tim Hetzner, o criador do projeto. “Eles simplesmente chegam e se deitam no colo das pessoas.” Desde então, a internet não resistiu ao carinho e à atenção dos cachorros terapeutas. Foi a forma que a igreja encontrou para ajudar as vítimas do massacre a lidar com o stress pós-traumático.

Foto: Reprodução

O ataque em Las Vegas foi no último domingo. 58 pessoas e 500 ficaram feridas depois que o atirador Stephen Paddock abriu fogo durante um festival de música. Os cachorros agora visitarão os serviços de emergências para ajudar a aliviar o estresse de funcionários. Segundo Hetzner, a organização começou o trabalho em agosto de 2008 com quatro cachorros. Agora, tem mais de 130 em 23 estados, que já estiveram em tragédias como a da escola Sandy Hook, Orlando e o furacão Harvey.

Las Vegas: Atirador tinha 23 armas no quarto do hotel usado como base para ataque

03 de out de 2017 às 09:32 | em: Mundo

Foto: Reprodução

O atirador Stephen Paddock, responsável pela morte de 59 pessoas e por deixar mais de 500 feridos, tinha 23 armas no quarto onde se hospedou no hotel Mandalay Bay para abrir fogo contra a plateia de um festival de música country. A polícia ainda localizou outras 19 armas na casa de Paddock, em Mesquite, a 130 quilômetros de Las Vegas. O atirador também possuía dois dispositivos que faziam com que armas semiautomáticas abrissem fogo sozinhas. De acordo com o G1, vários quilos de nitrato de amônio, material usado para fabricação de explosivos. Paddock tinha 64 anos, era contador aposentado e não possuía histórico criminal. Ele morreu logo depois de ter iniciado o tiroteio das janelas do quarto do htoal Mandalay Bay, famoso cassino e resort de Las Vegas. Ele começou a atirar por volta das 22h no horário local (1h desta segunda-feira, no horário de Brasília), na direção do Route 91 Harvest Festival. Pelo menos 22 mil pessoas estavam no local. A ação é considerada o maior ataque a tiros da história dos Estados Unidos.

Trump diz que não irá falhar ao lidar com a Coreia do Norte: ‘Ser gentil não funcionou’

02 de out de 2017 às 16:16 | em: Mundo,Trump

Foto: Ilustração

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a usar o seu perfil no Twitter para dizer que não irá falhar ao lidar com a Coreia do Norte. De acordo com o republicano, outros presidentes como Bill Clinton, Barack Obama e George W. Bush falharam quando tentaram contar as ameaças de Pyongyang. “Ser gentil com o Homem Foguete não funcionou nos últimos 25 anos”, ressaltou o líder americano. O mais recente comentário vem após um tuíte do presidente na manhã deste domingo, onde ele pediu para que o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, guardasse suas energias porque ele estaria perdendo tempo em tentar negociar com o líder norte-coreano, Kim Jong-un. No sábado, Tillerson disse que os EUA estão em contato direto com a Coreia do Norte para tentar resolver as questões diplomáticas entre os dois países. A escalada de tensões entre Washington e Pyongyang se intensificou após um teste de bomba de hidrogênio realizado pelo regime norte-coreano no início de setembro. O exercício foi condenado pela comunidade internacional e fez com que o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovasse, de forma unânime, um pacote de sanções contra a Coreia do Norte. De acordo com a ONU, as penalidades devem reduzir as receitas do país asiático em US$ 1,3 bilhão. Na Assembleia Geral das Nações Unidas, Trump ameaçou “destruir totalmente” a Coreia do Norte caso os EUA sejam obrigados a defender a si mesmos ou a aliados da ameaça nuclear representada pelo regime de Kim Jong-un. Já o líder norte-coreano respondeu afirmando que o presidente americano é “desequilibrado” e “pagará caro” pelos comentários feitos contra Pyongyang. Ao mesmo tempo, o ministro de Relações Exteriores do país asiático, Ri Yong Ho, comentou que um teste de bomba de hidrogênio pode ser feito no Pacífico, além de ter ressaltado que Trump declarou guerra contra a Coreia do Norte, fazendo com que Pyongyang tenha o direito de tomar contramedidas, como derrubar bombardeiros americanos, “mesmo que ainda não estejam dentro do nosso espaço aéreo”.

A faixa de pedestres que engana os motoristas para forçar redução da velocidade

01 de out de 2017 às 08:49 | em: Mundo

Foto: Reprodução

Isafjörður, um pequeno vilarejo da Islândia, acaba de virar notícia internacional por causa de uma faixa de pedestres. É que não se trata de uma faixa de pedestres qualquer, encontrada em uma esquina comum por aí. Em Ísafjörður, as listras brancas flutuam sobre o asfalto – ou ao menos é o que parece quando vistas à distância. Tudo não passa de uma ilusão de ótica. O desenho foi feito propositalmente desta forma para que ela pareça ser tridimensional e, assim, chamar mais a atenção dos motoristas quando se aproximarem dela.

Foto: Reprodução

O objetivo é reduzir a velocidade dos veículos nas áreas residenciais do vilarejo pesqueiro de 2,6 mil habitantes no noroeste islandês. As fotos da nova faixa de pedestres rodaram o mundo. Mas, ainda que seja a primeira do tipo na Islândia, não é uma ideia exatamente original. Gautur Ívar Halldórsson, diretor-executivo da Vegmálun GÍH, a empresa que criou a faixa 3D, disse ao site de notícias local Vísir que a inspiração veio de Nova Déli, capital da Índia. A técnica aplicada por lá no ano passado já foi usada em outras cidades indianas e também na China. É um recurso para tentar prevenir fatalidades com pedestres. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, 22% das mortes no trânsito no mundo são de pedestres atropelados.

Redes sociais: como utilizar para Deus e ser você mesmo?

29 de set de 2017 às 10:44 | em: Mundo,Religião

Foto: Ilustração

As redes sociais são, sem sombra de dúvidas, um dos maiores símbolos da Era da Informação (caracterizada pelo acesso rápido e fácil à informação). Somos bombardeados diariamente por informações sobre política, esportes, saúde, entre outros. Isso sem falar da possibilidade de comunicação contínua com nossos amigos por intermédio de publicações ou de chats diretos e instantâneos.

Segundo dados de fevereiro de 2014 publicados pelo site Social Media

– cerca de 72% de todos os usuários da internet estão ativos em redes sociais;
– 23% dos usuários do facebook acessam-no ao menos 5 vezes por dia;
– impressionantes 47% dos americanos dizem que o Facebook é o maior influenciador em suas decisões de compra.

Portanto, é inegável que as redes sociais influenciam diretamente no comportamento das pessoas. Essa influência pode ser, ao mesmo tempo, perigosa e proveitosa para nós enquanto cristãos, tudo vai depender do seu posicionamento nas redes sociais. Talvez o maior perigo das redes sociais, não apenas para os cristãos, mas para toda a sociedade, é o aparente anonimato. O anonimato dá a falsa sensação de que nas redes sociais é possível esconder-se sob a “máscara” de quem se deseja ser ou sob a personalidade que for mais conveniente na ocasião. Informações publicadas em julho de 2014 no site “Cristianismo Hoje” (referentes à pesquisa realizada pela Intel) revelam que cerca de 33% dos brasileiros admitem manter nas redes sociais uma personalidade diferente daquela da vida real. Além disso, 23% afirmam postar informações falsas nas redes sociais das quais participam. Para um cristão esse costume pode ser extremamente preocupante caso a “máscara” escolhida seja a de um incrédulo, pois indica que um cristão escolheu viver uma vida virtual independente de Cristo. Vivemos em um mundo onde aparentar ser feliz tem sido mais importante que a própria busca pela felicidade. Muitas pessoas hoje vivem em função de aparências, por isso deixaram de buscar a felicidade e hoje só querem que todos imaginem que suas vidas são perfeitas e sem problemas.

Foto: Ilustração

Nas redes sociais, viver uma vida de aparências é muito comum. Quando vive uma “segunda vida”, o cristão mancha seu testemunho diante dos homens e, principalmente, diante de Deus.  A frase “Pregue sempre o evangelho, se necessário use palavras” – por vezes atribuída a Agostinho, outras vezes atribuída a Aquino – diz muito sobre como pregar o evangelho nas redes sociais. O seu viver deve expressar a Cristo, não apenas suas palavras. Alguém que abre seu perfil em uma rede social deve ser capaz de identificar que você é um cristão, não só porque você curtiu uma página cristã, mas porque suas imagens, seus textos e seus vídeos apontam direta e inegavelmente para isso. Se estamos cheios da vida e natureza de Cristo, nosso viver é capaz de influenciar positivamente. Precisamos estar preparados para levar as pessoas a Deus. Onde você estiver, esteja ciente de que, acima de tudo, você é um filho de Deus! Você é um embaixador do Reino de Deus na terra!

Jovem, quem você é? Você é um filho de Deus. Agora que você descobriu isso, seja você! Isso pode salvar pessoas. As redes sociais são uma grande ferramenta que Deus entregou em suas mãos, utilize-as bem: dê testemunho, pregue o evangelho e leve a salvação para seus amigos no facebook, twitter e whatsapp.

“Guerra” entre EUA e Coreia do Norte: devemos nos preocupar?

26 de set de 2017 às 18:51 | em: Coreia do Norte,Mundo,Trump

Foto: Ilustração

O governo norte-coreano acusou Donald Trump de “declarar guerra” e afirmou que tem o direito de derrubar bombardeiros americanos que sobrevoam seu território. Na semana passada, na 72ª Assembleia Geral da ONU, o presidente dos EUA havia ameaçado “destruir totalmente” a Coreia do Norte se seu país for “forçado a defender-se ou a defender seus aliados”. O ministro das Relações Exteriores norte-coreano, Ri Yong-ho, disse que o regime poderia atingir os aviões americanos mesmo que eles não estivessem em seu espaço aéreo, já que os Estados Unidos “foram os primeiros a declarar guerra”. Em resposta, o Pentágono, sede do Departamento de Defesa dos EUA, disse que Pyongyang deve parar com as provocações, e a Casa Branca chamou de “absurda” a afirmação.

1. Ninguém quer guerra

Esta é uma das informações mais importantes de se manter em mente. Uma guerra na península coreana não serve aos interesses de ninguém. O principal objetivo do governo norte-coreano é sobrevivência – e um conflito direto com os EUA poderia ameaçar seriamente essa possibilidade. Segundo o repórter de Defesa da BBC, Jonathan Marcus, qualquer ataque contra os Estados Unidos ou seus aliados no contexto atual pode evoluir rapidamente para uma guerra mais ampla – e devemos assumir que o governo de Kim Jong-un não é suicida. Na verdade, é por isso que a Coreia do Norte está tentando se tornar uma potência nuclear. De acordo com o regime, isso protegeria o governo ao aumentar o custo de tentar derrubá-lo. Kim Jong-un não quer terminar como os ex-ditadores da Líbia, Muammar Khadafi, e do Iraque, Saddam Hussein. Andrei Lankov, professor da Universidade Kookmin em Seul, disse ao jornal britânico The Guardian que havia “uma probabilidade muito pequena de conflito”, mas que os norte-coreanos estão “pouco interessados em diplomacia” neste momento. “Eles querem ter a capacidade de tirar Chicago do mapa, por exemplo. Depois terão interesse em soluções diplomáticas”, disse Lankov. E um ataque preventivo dos EUA? Eles sabem que atingir a Coreia do Norte forçaria o governo retaliar contra seus aliados Coreia do Sul e Japão. Isso ocasionaria a perda de muitas vidas, incluindo a morte de centenas de americanos – militares e civis. Além disso, Washington não quer arriscar que mísseis com armas nucleares sejam disparados em direção ao território americano. Por fim, a China – único aliado de Pyongyang – ajudou a manter o governo norte-coreano justamente porque sua queda poderia ter um resultado estratégico pior. Ter soldados americanos e sul-coreanos na fronteira com a China é uma perspectiva que Pequim não quer enfrentar – e é isso o que a guerra iria trazer. Confira mais em BBC Brasil.

Coreia do Norte ameaça ‘afundar’ Japão e reduzir EUA a ‘cinzas’

14 de set de 2017 às 16:01 | em: Coreia do Norte

Foto: Ilustração

Uma agência estatal afirmou que a Coreia do Norte ameaçou nesta quinta-feira (14) usar armas nucleares para “afundar” o Japão e reduzir os Estados Unidos a “cinzas e escuridão” por apoiar uma resolução e sanções do Conselho de Segurança da das Nações Unidas (ONU) contra o mais recente teste nuclear do regime norte-coreano, segundo a Reuters. O Comitê da Coreia para a Paz na Ásia-Pacífico, que lida com os laços externos e propaganda da Coreia do Norte, também pediu pela dissolução do Conselho de Segurança, que chamou de uma “ferramenta do mal” constituída por países “subornados” que avançam sob ordem dos Estados Unidos. “As quatro ilhas do arquipélago devem ser afundadas no mar por uma bomba nuclear do Juche. O Japão não é mais necessário para existir perto de nós”, disse o comitê, em comunicado divulgado pela agência de notícias estatal norte-coreana. O Juche é a ideologia governista da Coreia do Norte que mistura marxismo com uma forma de nacionalismo isolado pregado pelo fundador do Estado, Kim Il Sung, avô do atual líder norte-coreano, Kim Jong Un, ainda de acordo com a Reuters.

Menina de 13 anos salva oito vidas com doação recorde de órgãos no Reino Unido

13 de set de 2017 às 15:46 | em: Filantropia,Mundo

Foto: Reprodução

Jemima, de Somerset (Reino Unido), morreu em 2012 de um aneurisma cerebral, mas sua contribuição só foi revelada nesta semana pelo sistema de saúde britânico, o NHS. Graças à permissão dos pais da criança, foram doados o coração, o pâncreas, os pulmões, os rins, o intestino delgado e o fígado de Jemima. Os pais se lembram dela como uma menina inteligente, caridosa e criativa. “Temos certeza de que ela ficaria muito orgulhosa do seu legado”, disseram. O Departamento de Sangue e Transplantes do NHS assegurou que nenhum outro doador havia ajudado tanta gente antes. Jemima sofreu um desmaio enquanto ajudava a organizar a festa de aniversário de 38 anos da mãe. Quatro dias depois, ela morreu no Hospital Infantil de Bristol, na Inglaterra. O coração, o intestino delgado e o pâncreas foram transplantados para três pessoas diferentes, enquanto outras duas pessoas receberam os rins. Seu fígado foi dividido em dois e transplantado para outras duas pessoas, e seus dois pulmões foram para o mesmo paciente. Normalmente, uma doação pode alcançar até 2,6 transplantes – portanto, o número de oito vidas salvas é muito incomum.

“Especial e única” 

A mãe de Jemima, Sophy Layzell, que é professora de teatro, e seu pai, Harvey Layzell, diretor de uma empresa de construção civil, disseram que sabiam que a garota queria ser doadora porque conversaram com ela sobre o assunto algumas semanas antes de sua morte. O tema surgiu depois que um conhecido da família morreu em um acidente. “A pessoa que morreu estava registrada como doadora, mas devido às circunstâncias de sua morte, seus órgãos não puderam ser usados”, lembrou Sophy. “Jemima nunca tinha ouvido falar de doação de órgãos antes e achou isso estranho, mas entendeu o quão importante isso era”, acrescentou. A mãe confessa que a decisão de doar os órgãos da filha foi difícil, mas era a escolha correta. “Todo mundo quer que seu filho seja especial e único, e isso, entre muitas outras coisas, nos faz sentir muito orgulhosos dela”, disse a mãe. “Pouco depois da morte de Jemima, vimos um programa de TV sobre crianças à espera de um transplante de coração”, lembrou. Isso nos fez perceber que dizer ‘não’ seria negar a outras oito pessoas a chance para a vida, especialmente no que diz respeito ao coração de Jemima, o qual Harvey se sentiu desconfortável de doar naquele momento. Mas depois do programa, soubemos que era a decisão correta”, concluiu. Os pais de Jemima dizem acreditar ser muito importante conversar com as crianças sobre a doação de órgãos. Com a irmã de Jemima, Amelia, de 17 anos, eles coordenam hoje a ONG The Jemima Layzell Trust, que ajuda jovens com danos cerebrais e também promove a doação de órgãos. “O instinto de qualquer pai é dizer não, estamos programados para proteger nosso filho. Mas foi nossa conversa prévia com Jemima que nos permitiu dizer sim”, disse o casal.