Filantropia

Empadinhas caem no trem e passageiros ajudam os vendedores

18 de ago de 2017 às 15:26 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

Uma cena emocionante, que aconteceu dentro de um trem, mostra como uma boa ação pode contagiar e fazer várias outras pessoas agirem da mesma forma. Dois rapazes estavam vendendo empadinhas – para ajudar uma entidade assistencial – quando todas caíram no chão. A cara de decepção e tristeza dos jovens comoveu um dos passageiros, que deu a eles os únicos 4 reais que tinha no bolso. Esse gesto provocou uma reação em cadeia. Imediatamente outros passageiros começaram a fazer o mesmo. “Foi algo incrível, minha vontade foi comemorar cada nota de 2, 5, 10 e até 20 reais que chegavam até as mãos deles”, contou Marcos Rodrigo Rodrigues. Ele foi o primeiro a dar o dinheiro e postou no Facebook a foto das empadinhas espatifadas no não. A história rapidamente viralizou.  Teve mais de 100 mil acessos em 24 horas. O caso aconteceu na última terça, 15, no Rio de Janeiro um trem do ramal Santa Cruz.

História

As empadinhas, vendidas a 1 real cada, eram para ajudar um centro de recuperação “que não tem ajuda do governo e depende só das vendas dessas empadas”, contou Marcos. As empadas estavam em uma caixa de papelão grande, mas o fundo abriu e umas 25 empadas foram se espatifaram no chão. “Os rapazes instantaneamente ficaram com uma fisionomia de decepcionados… Foi possível ver a tristeza na fisionomia de quase todas as pessoas que estavam próximas”. “Vendo aquela situação eu lembrei de 4 reais que eu tinha guardado no bolso e era todo o meu dinheiro, rsrsrsrsr, vou casar gente tô duro!”, explicou Marcos. “Com apenas a intenção de ajudar e diminuir por mínimo que fosse o prejuízo dos rapazes, eu peguei os 4 reais e ofertei para eles. Eu jamais imaginaria que aquele gesto se multiplicaria e mais de 30 pessoas fariam o mesmo. Foi algo incrível, minha vontade foi comemorar cada nota de 2, 5, 10 e até 20 reais que chegavam até as mãos deles.” “Creio que todos que presenciaram isso, saíram do trem transformados e edificados por esse gesto simples porém tão bondoso. Parabéns as pessoas envolvidas, faça o bem sempre que puderem, essa é a mensagem que deixo para vocês!” Marcos concluiu o post dizendo: “EU AINDA ACREDITO NA BONDADE DAS PESSOAS!”.

Corredor honesto ajuda líder que passou mal a ganhar corrida

15 de ago de 2017 às 16:09 | em: Filantropia,Mundo

Foto: Reprodução

Uma imagem impressionante de honestidade e solidariedade de um corredor está comovendo as redes sociais e o mundo esportivo. Ao perceber que o primeiro colocado estava passando mal, a poucos metros da chegada, o segundo colocado segurou o adversário pelo braço e o empurrou para a vitória. Rob Gomez teve a chance de ganhar o prêmio de US $ 1.000 – R$ 3.150 – como o melhor finalista masculino da prova de 10 km da Maine’s TD Bank Beach to Beacon. Mas quando viu o corredor de frente, Jesse Orach, caindo pela segunda vez perto da linha de chegada Rob decidiu ajudar o líder da prova. Em vez de correr para vencer, Gomez parou, levantou Orach e o segurou nos últimos 50 metros antes de dar-lhe um último empurrão para certificar-se de que o adversário cruzaria a linha de chegada primeiro. A cena aconteceu na semana passada nos EUA. As fotos da solidariedade de Gomez circulam nas mídias sociais e ele permaneceu humilde. “Eles me colocaram em um pedestal que eu realmente não mereço”, disse o corredor ao Press Herald. “O que as pessoas viram foi apenas um exemplo de comunidade em execução. Não é realmente especial. É exatamente o que fazemos”.  Alguns se perguntaram como Gomez pôde deixar de ganhar se levaria um prêmio de US $ 1.000. “Não foi uma decisão calculada”, disse ele. “Não foi porque eu sou um tipo de herói, ou uma espécie de pessoa especial, porque eu não sou. Como corredores, entendemos, nos escolhemos uns aos outros e nos ajudamos”.

Telefonista encontra conta e R$ 600 no ônibus, paga e acha a dona

08 de ago de 2017 às 15:41 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

Honestidade em João Pessoa, na Paraíba! Uma telefonista encontrou uma fatura e R$ 600 no ônibus em que ia para a lanchonete onde trabalha, na semana passada. Silviane Cunha Derika Sawany, de 30 anos, pagou a conta e postou as fotos no Facebook para tentar localizar a dona, a vendedora Claudineia Santos Lima, de 43 anos. “Achei ontem no ônibus 5100 em mangabeira esses 600 reais com uma fatura, a pessoa q perdeu deve ta (sic) desesperada, nessa crise faz muita falta, quem a conhecer pode passar p ela q a fatura está paga, n tem número de telefone, seu nome é claudineia santos lima do funcionários II (sic)”, contou Silviane na rede social.  A intenção dela era também devolver o troco, já que a fatura paga foi de R$ 564. A atitude caiu nas graças dos internautas e o post viralizou. A telefonista disse que achou a conta enrolada com dinheiro entre o banco e a lataria do ônibus. “Quando abri, vi que o dinheiro estava dentro, coloquei na bolsa e na hora já decidi que pagaria. Só não fui na mesma hora porque chegaria atrasada ao trabalho. Mas no dia seguinte, saí mais cedo de casa para passar no banco antes. Em nenhum momento pensei em ficar com o dinheiro”, contou ela ao UOL. Assim que o caso apareceu no Facebook o filho de Claudineia entrou em contato com Silviane. No dia seguinte elas se encontraram. “No sábado, nós nos encontramos na minha casa, mas eles não aceitaram o troco de jeito nenhum”, comentou Silviane. A telefonista também disse que não esperava tanta repercussão. Até esta segunda-feira (7), foram mais de mil comentários, 6,5 mil curtidas e quase 9 mil compartilhamentos. “Pra mim, minha atitude foi normal. Só fiz o que é certo. Nunca esperei tanta repercussão”, disse. Ao saber que a conta havia sido paga, a vendedora Claudineia passou mal. “Fiquei tão feliz e tão agradecida que minha pressão até subiu, tive que tomar remédio”, contou.  “Quero ser amiga dela para sempre. Ela é uma pessoa maravilhosa. É de amigos assim que nós precisamos. O mundo precisa de gente assim”, disse Claudineia.

Feirense Idosa está perdida em Guarulhos (SP) passando fome e sede; ajude

08 de ago de 2017 às 09:17 | em: Feira De Santana,Filantropia

Foto: Reprodução

Segundo informação de leitores do A Voz do Campo, esta senhora está perdida na Avenida Brigadeiro Faria Lima, na altura do número 1045, em Guarulhos, SP. Ela diz ser de Feira de Santana (BA). Seu nome é Lucimar Gonçalves. Segundo as informações, seu marido, Carlos, a levou para a capital paulista e a largou sem documentos e sem dinheiro. Ela pede ajuda para que encontrem sua filha, Luciéia Gonçalves Correia. Dona Lucimar está passando fome e frio em São Paulo. Contato da Assistência Social em Guarulhos: (11) 2087-7423. Contato da Assistência Social em Feira de Santana: (75) 3221-3439. A Voz do Campo fez contato com um funcionário na Secretaria em Feira de Santana, que informou que o caso ainda não havia sido informado oficialmente a eles. Ajudem!

Clooney constrói 7 escolas para 3 mil crianças refugiadas

04 de ago de 2017 às 15:38 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

A Fundação Clooney para Justiça anunciou que vai doar US $ 2,25 milhões – mais de R$ 7 milhões – para construir 7 escolas públicas para 3 mil crianças refugiadas sírias no Líbano. A fundação, do ator George Clooney e da mulher Amal Clooney age para dar oportunidade de educação para esse jovens desamparados no meio da guerra. A doação, que foi feita como parte de uma campanha educacional em parceria com o Google e o Unicef. A intenção é oferecer algum alívio durante uma das maiores crises humanitárias desde a Segunda Guerra Mundial. “Nosso objetivo com esta iniciativa é ajudar a proporcionar aos filhos de refugiados sírios uma educação e colocá-los no caminho para serem os futuros líderes que sua geração precisa desesperadamente”. “Eles foram vítimas de geografia e circunstâncias, mas isso não significa que não há esperança”, disse o casal em um comunicado à AP. “Milhares de jovens refugiados sírios estão em risco – o risco de nunca ser uma parte produtiva da sociedade. A educação formal pode ajudar a mudar isso. Esse é o nosso objetivo com esta iniciativa. Nós não queremos perder uma geração inteira porque tiveram a má sorte de nascer no lugar errado na hora errada “, disseram o Clooneys.

Lanchonete de praia contrata moradores de rua no ES

27 de jul de 2017 às 16:00 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

Uma nova oportunidade! Era o que esses moradores em situação de rua sonhavam e conseguiram. Os cinco foram contratados pelo McDonald’s da Praia do Canto, em Vitória, após um treinamento dado pela prefeitura. O local acolheu os homens em seu quadro de funcionários depois que eles passaram pela Escola da Vida, um projeto da Prefeitura de Vitória para reabilitar e reinserir pessoas menos favorecidas na sociedade. Desde que o novo modelo de atendimento a moradores em situação de rua foi posto em prática, há três meses, 12 pessoas foram encaminhadas para o mercado de trabalho. “Procuramos parceiros. É uma vertente de responsabilidade social. É o que querer ajudar por parte das empresas”, diz Edinho Lima, gerente da Escola da Vida, da Prefeitura de Vitória.

Novos planos

E os ex-moradores de rua, com a recente oportunidade de trabalho podem finalmente fazer planos simples, como o de ter um lar e constituir família. “Fazia uns cinco anos que não trabalhava de carteira assinada. Aí me chamaram para uma entrevista de emprego e desde março estou aqui”, conta Maurício de Souza Rodrigues, 27 anos, atendente de lanchonete do McDonald’s da Praia do Canto. “Hoje meu sonho é casar com a minha namorada, dar o meu melhor na empresa e subir de cargo.” Entre seus colegas, estão também Delair Pereira de Freitas, 38, Willian Pereira, 27, Wesley Leonardo de Souza, 28, e Gledson Barbosa, 31.  Todos tiveram a terrível experiência de morar na rua. E todos hoje querem ter condições de bancar a própria moradia. Delair Pereira de Freitas, 38 anos, viveu 22 anos nas ruas e há um mês ele trabalha na lanchonete. Começar a trabalhar de carteira assinada era o voto de confiança de que ele precisava para dar um novo rumo à vida, até então marcada pela existência nas ruas. Hoje ele trabalha em uma lanchonete na Praia do Canto e, até ter condições de bancar o próprio aluguel, dorme no abrigo noturno de Vitória. Willian, além de ter o trabalho, hoje também ajuda outros dentro do Movimento Nacional de População de Rua.

Menino de 8 anos ajuda a comprar nova cadeira de rodas para o seu melhor amigo

26 de jul de 2017 às 15:03 | em: Filantropia,Mundo

Foto: Reprodução

Veja o que esse menino de apenas 8 anos fez para melhorar a vida do amigo cadeirante. Kamden Houshan e Paul Burnett estão no terceiro ano do ensino fundamental, mas são inseparáveis desde o jardim da infância. Kamden é paraplégico. Ele nasceu com um tumor maciço na coluna vertebral e perdeu parte dos movimentos.  As diferenças entre os dois não importam nessa amizade verdadeira. Eles fazem tudo juntos: desde comer sanduíches até jogar no parque. Mas a cadeira de rodas de Paul era muito grande pesada. Ruim para guardar e manobrar em casa. A mãe tinha que carregá-lo muitas vezes de um cômodo para o outro. Em agosto, Kamden testou um modelo de cadeira de rodas, menor e mais leve – e ficou impressionado com a diferença positiva que conseguiu em sua vida. O problema era que seguro da família levaria alguns anos para cobrir o custo de uma nova cadeira de rodas para o menino.

A iniciativa de Paul

Paul ficou sabendo que no Youtube existe o GoFundMe, uma página de vaquinha eletrônica. O menino perguntou aos pais se poderia começar uma campanha para ajudar seu amigo Kamden. A resposta foi sim! Em questão de semanas, a página de Kamden havia arrecadado US $ 5.500 – mais de R$ 17 mil – valor que superou em US $ 2.000 o objetivo. E a cadeira de rodas finalmente pôde ser comprada. “Obrigado a todos por fazerem parte desta maravilhosa jornada para conseguir a cadeira de rodas de Kadem. Paul e Kamden ficaram felizes ao saber que Kamden está recebendo o que ele precisa”, escreveu a mãe de Paul. Se havia alguma dúvida de que esses dois meninos seriam amigos para sempre, certamente não existe mais.

Faculdade dá bolsa integral a vendedor de amendoim

25 de jul de 2017 às 15:50 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

O vendedor de amendoim Jhone Vicente dos Santos há muito tempo quer cursar direito, mas adiou o próprio sonho para pagar a faculdade da mulher dele. Com o dinheiro que recebe trabalhando na avenida Fernandes Lima, a principal de Maceió, em Alagoas, o rapaz de 29 anos bancou o curso de Recursos Humanos para a esposa. A ideia de Jhone era que, depois de formada, a mulher arrumasse um emprego, trabalhasse e ajudasse a realizar o sonho do marido. Mas uma gravidez mudou os planos da família. Leyla engravidou, deu à luz há quatro meses, ao segundo filho do casal e agora tem que ficar em casa para cuidar do bebê.

A virada

No dia 10 de julho, a história de garra e determinação de Jhone foi publicada em uma página do Facebook chamada Humans of Maceió. A postagem fez tanto sucesso –  mais de 5 mil curtidas e 500 compartilhamentos – que sensibilizou a direção da Faculdade Fama, uma entidade privada de Maceió. A instituição ofereceu uma bolsa integral a Jhone – que equivale a R$ 50 mil – com uma condição: que fizesse o vestibular e fosse aprovado. E o vendedor de amendoim conseguiu. O resultado saiu na semana passada. O curso começa no dia 7 de agosto. Conhecido na avenida de Maceió, Jhone conta que ficou ainda mais famoso depois da publicação. “Depois disso, as pessoas param aqui, me parabenizam pela história”, conta. E ele avisa que não vai abandonar seus clientes. Johne planeja conciliar os estudos com a venda de amendoim. “É com ele que sustento minha família, não tem como parar”, diz.

Startup faz moradores de rua reencontrarem suas famílias

24 de jul de 2017 às 16:08 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

Olha que ideia bacana e emocionante para ser copiada em qualquer parte do mundo: um jovem criou uma startup que grava vídeos e usa as redes sociais para fazer moradores em situação de rua localizarem suas famílias e muitas vezes voltarem pra casa. A organização voluntária Miracle Messages – Mensagens Milagrosas, em tradução livre – age de forma simples: grava vídeos com os sem-teto mandando mensagens emocionadas para seus familiares, que não veem há muito tempo. Aí voluntários postam esses vídeos nas redes sociais e ajudam a localizar a família com base em gostos, compartilhamentos e mensagens. A organização diz que dos 30 vídeos já gravados e postados, 15 tiveram final feliz, com reencontro das famílias e 40% dos sem-teto foram retirados das ruas. Foi o caso de Perry, que estava morando nas ruas em Burlington, Vermont, EUA. Ele gravou uma Mensagem Miracle para seu filho Joey, que não via há 18 anos. “Em 24 horas, nossos voluntários ajudaram Perry e Joey a falarem por telefone. Meses depois eles se encontraram pessoalmente, a primeira vez que Joey viu seu pai desde que tinha 4 anos. 

Garoto com síndrome de Down salva criança de afogamento na Itália

21 de jul de 2017 às 15:55 | em: Filantropia,Mundo

Foto: Reprodução

De acordo com o jornal italiano “Corriere della Sera”, um jovem atleta com síndrome de Down virou herói ao salvar uma criança de afogamento nesta sexta-feira, 14. O caso aconteceu na praia de Sabaudia, próxima à capital italiana de Roma. Valerio Catoia, de 17 anos, tomava banho de mar por volta das 9h na companhia da irmã Gaia, 11, e do pai, Gianni, quando os três começaram a ouvir gritos. “No começo pensamos que era uma brincadeira. Levou alguns segundos para percebermos que eram duas meninas que estavam se afogando”, disse o pai ao jornal. “Chegamos perto delas. Valerio pegou uma delas, colocou no ombro virada para cima e foi em direção à praia”. Segundo relatos de testemunhas ao jornal, Valerio fez tudo sozinho, cansado e enfrentando ondas cada vez mais altas até a chegada dos salva-vidas. “Ele manteve a cabeça acima da água, como aprendeu uma vez em cursos”, contou o pai. Valerio treina natação quatro vezes por semana e atletismo duas. Ele já participou, inclusive, de competições no Campeonato Nacional de Natação da Fisdir (federação italiana de esportes para pessoas com deficiência intelectual).

Homem espalha positividade pelo mundo com gestos simples

21 de jul de 2017 às 15:34 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

Um homem está percorrendo cafés, praias e outros lugares movimentados para espalhar positividade com gestos simples. Ele busca 3 coisas: um abraço, um bate-papo ou um aperto de mãos. Esta é a missão de Dave Sylvester na América. “Estou aqui para fazer as pessoas sorrirem. Acho que podemos abrir o diálogo por meio de um sorriso, um abraço, um “bate aqui” daí podemos abrir um canal pra outros assuntos e talvez fazer a diferença no mundo”, disse. Ele começou a espalhar o amor por aí depois que um amigo dele morreu no atentado de 11 de setembro no World Trade Center.

Jornada

Big Dave fez uma jornada mundial atravessando três continentes, como voluntário em instituições de caridade. Agora ele continua a missão pelos Estados Unidos. Ele começou em Delaware, depois dirigiu para o sul, fazendo paradas na Carolina do Norte, Geórgia… Agora, ele está no Texas. Por onde passa, o homem da positividade vai contabilizando as pessoas que abraça, ou dá um toca aqui. Quando Dave Sylvester estava se preparando para sair de seu hotel em Jackson, Mississippi, rumo a Nova Orleans, ele soube que um avião caiu no condado de Leflore, Mississippi. Ele não teve dúvida e foi até o local do acidente pra abraçar e dar apoio às pessoas. Foi uma das paradas mais sombrias na caminhada de “Big Dave” na América. Mas ele não se arrepende e está disposto a atingir mais e mais pessoas sem se importar pelo que estão passando.

Veterinário busca por cadela perdida da raça Shitzu em Araci; ajude

21 de jul de 2017 às 09:16 | em: Araci,Filantropia

Foto: Divulgação

“Quem tiver informações terá uma boa recompensa”, diz o veterinário José Bonifácio, de Araci. Contato: 75 9 9124-1704

Foto: Divulgação

Noivos cancelam casamento e doam festa a desabrigados

20 de jul de 2017 às 16:15 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

Desabrigados tiveram uma noite de gala no último fim de semana, com direito a roupa nova e boa comida em um buffet chique dos Estados Unidos. A festa foi doada pelos ex-noivos Sarah Cummins e Logan Araújo, que terminaram a relação uma semana antes do casamento. Eles pagaram 30 mil dólares, cerca de 95 mil reais, pela recepção para 170 convidados e pelo contrato não poderiam receber o dinheiro de volta em caso de desistência. Então os dois resolveram doar tudo para desabrigados da região de Indianapolis, capital do estado de Indiana. Sarah ligou para abrigos da região e convidou a todos para um jantar no pomposo centro de eventos Ritz Charles, em Carmel. Vários empresas locais e moradores doaram ternos, vestidos e outros itens para os convidados usarem. A própria ex-noiva recepcionou os novos desabrigados, com ajuda da mãe, tias e das ex-madrinhas. Os convidados saborearam um cardápio com almôndegas ao molho bourbon, queijo de cabra, peito de frango e o tradicional bolo de casamento. “Para mim, foi uma oportunidade de deixar essas pessoas saberem que eles merecem estar em um local como esse, tanto quanto qualquer outra pessoa”, disse a ex-noiva.

Noite especial

Charlie Allen, que está há três meses em um abrigo, recebeu um paletó doado. “Eu não tinha um e acho que fiquei bem bonito com ele. Para muitos de nós, esta é uma boa oportunidade para nos mostrar o que podemos ter – ou para nos lembrar do que já tivemos”. Sarah Cummins, de 25 anos, é estudante de Farmácia na Universidade Purdue. Ela contou que seu ex-noivo pagou a maior parte da conta da festa e que ele concordou com o que acreditava ser uma forma altruísta e generosa de lidar com a situação. Sarah se negou a dizer o motivo do rompimento dos dois.

Rottweiler salva vida de menino autista em convulsão

20 de jul de 2017 às 16:09 | em: Filantropia,Mundo

Foto: Reprodução

O alerta de um cão da temida raça Rottweiler salvou uma criança de 6 anos que tem autismo. A pedagoga e técnica de enfermagem Rhozana Diniz Menzani contou que o cão de estimação avisou quando o filho Enzo começou a ter uma convulsão. “Ele salvou a vida do meu filho”, disse Rhozana que é de Ibaté, interior de São Paulo. Além de ser autista, o menino Enzo sofre de adrenoleucodistrofia, uma doença rara e degenerativa. Ele está sem visão e já não caminha mais. Mas segundo a mãe foi a primeira vez que o garoto teve convulsão. Rhozana dormia quando o filho começou a passar mal. O cachorro Quiron, de 5 anos, começou latir desesperadamente e arranhar a janela do quarto onde a mãe estava. Rhozana foi ao quarto para ver o que estava acontecendo e viu seu filho em convulsão. “Ele e meu filho estavam fazendo o mesmo barulho, como se estivessem urrando”, contou. Rhozana prestou os primeiros socorros. “Quando peguei Enzo no colo, ele parou de respirar. Coloquei ele de volta a cama, cheguei massagear, fiz boca a boca e ele voltou”, relatou. Enzo foi levado para um hospital em São Carlos, onde passou por vários exames. Agora, ele se recupera em casa. Rhozana acredita que cachorro pressentiu a situação. “Foi graças ao Quiron que eu consegui socorrer meu filho, até porque eu não esperava que isso fosse acontecer. Se não fosse ele, meu filho não estaria mais aqui. Quiron é um anjo da guarda”, falou emocionada.

Gerente senta no chão para atender cliente com deficiência

18 de jul de 2017 às 16:44 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

Um gesto de gentileza e respeito de um gerente de banco. Ele foi fotografado sentado no chão enquanto atendia a um cliente com deficiência física. O caso aconteceu em Volta Redonda, no Rio de Janeiro e foi registrado por Isabel Paiva, de 54 anos. O homem, na faixa dos 50 anos, com pernas amputadas, entrou na agência da Caixa Econômica Federal da Avenida Amaral Peixoto e muito gente ignorou a presença dele. Foi aí que apareceu o gerente Luis Claudio. Ele se sentou no chão e conversou com o senhor, para que ele não ficasse na fila. “Achei lindo o gesto, me emocionei, ele [o gerente] foi muito gente boa, todo arrumado sentou no chão, fazendo seu trabalho com muita alegria”, disse Isabel Paiva ao RPA. Ela contou que parabenizou o gerente e disse que ia publicar a foto nas redes sociais. A reação dele? “Somos todos iguais, não sou melhor que ninguém… posso ser talvez pior!” E sorriu.