Filantropia

Médico usa frascos de xampu e salva 600 bebês com pneumonia

17 de out de 2017 às 16:44 | em: Filantropia,Mundo

Foto: Reprodução

A criatividade que salva. Um médico criou uma engenhoca barata, feita com embalagem de xampu, para salvar bebês com pneumonia. Pelo menos 920 mil crianças morrem anualmente da doença, que faz com que seus pulmões parem de absorver oxigênio. O médico Mohammod Jobayer Chisti, de Bangladesh, na Ásia Meridional, inventou um equipamento que usa apenas frascos de xampu e tubos de plástico, para ajudar essas crianças a respirar. É um ventilador mecânico de R$ 4, infinitamente mais barato que convencional, que custa cerca de R$ 47 mil. E o melhor: testes feitos em Bagladesh mostram que ele é capaz de reduzir mortes em até 75%.

Como

O equipamento de baixo custo armazena as bolhas que se formam na água e faz aumentar a absorção de oxigênio pelos bebês. Dessa forma ele aumenta as chances de sobrevivência em casos de pneumonia aguda. O aparelho de Jobayer Christi já ajudou mais de 600 crianças. O médico espera que o equipamento salve outras milhares de vidas. A criação foi mostrada na série Innovators, da BBC, produzida com financiamento da Bill and Melinda Gates Foundation.

Neymar realiza sonho de menina com doença rara

10 de out de 2017 às 15:34 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

A menina de 8 anos, que tem uma doença rara e fez sucesso na internet por gravar um vídeo onde falou do desejo de encontrar o craque Neymar, agora é só sorrisos. Neymar, que está em São Paulo para o jogo da Seleção Brasileira contra o Chile, finalmente pôde dar um abraço na menina, depois da promessa feita por ele pelas redes sociais. Ana Clara ainda vai ver o jogo Brasil x Chile, nesta terça-feira, 10 de outubro, às 20h30, no Allianz Parque, São Paulo Pelo Instagram, o jogador postou o encontro com a frase: “Sonhe o quanto puder, realize sempre. Desistir jamais”, Ana clara. E ele ainda fez uma “Live”, pelo Insta no stories. Ana Clara, que é de Comercinho, Minas Gerais, conseguiu emocionar a todos e a história viralizou nas redes sociais. O vídeo, feito por ela mesma, foi compartilhado milhares de vezes. A campanha ganhou força e chegou até o atacante. Na gravação Ana se identifica, conta a sua história e fala sobre a doença, a Progeria também conhecida com síndrome de Hutchinson-Gilford – uma desordem genética progressiva e extremamente rara e que não tem cura.

Hospital manda pele para queimados da creche de Minas Gerais

09 de out de 2017 às 16:35 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

Solidariedade no caso da creche na cidade de Janaúba, em Minas Gerais. O Hospital da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, vai enviar estoques de pele para ajudar no tratamento de queimadura das crianças vítimas do incêndio criminoso da última quinta-feira (05). O crime deixou nove pessoas mortas, incluindo o homem que incendiou o local, o segurança Damião Soares dos Santos, de 50 anos. Entre as vítimas estão sete crianças de 4 anos. 39 alunos e adultos estão internados em hospitais de Janaúba, Belo Horizonte e Montes Claros. O Coordenador do Banco de Peles da Santa Casa de Porto Alegre, o médico Eduardo Chem, disse que foi procurado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica para ajudar. “A gente encaminha os tecidos [peles] para doação, via Central de Transplantes, e como o Hospital João XXIII, lá de Belo Horizonte, é parceiro nosso, não temos grandes problemas. Existe uma relação muito boa entre nossos hospitais”, explicou o médico cirurgião ao UOL. O banco tem disponível cerca de 7.500 cm² de pele, quantidade suficiente para atender a até dez crianças.

Como

Ele explica que, depois de doadas, as peles serão utilizadas nos pacientes como um “curativo biológico”, de forma temporária. “A queimadura do paciente é retirada num procedimento cirúrgico e coberta com esta fina camada de pele. Este curativo fica em média três semanas e depois vai caindo”, diz o médico. Quanto a uma possível rejeição do organismo durante o tratamento, o cirurgião afirma que a chance é mínima, pois o “curativo biológico” se integra bem às queimaduras. Doze crianças seguem internadas e passam por tratamento nas cidades de Belo Horizonte e Montes Claros. O Banco de Peles de Porto Alegre é um dos mais antigos do país. Da unidade saem cerca de 70% dos transplantes de pele feitos no Brasil. O processo de transplante de pele é feito pelo SUS, depois de solicitado o material pelo hospital. A pele pode doada da mesma forma que outros órgãos e tecidos, após a morte e autorização da família.

Cães terapeutas confortam sobreviventes do massacre em Las Vegas

08 de out de 2017 às 08:06 | em: Filantropia,Mundo

Foto: Reprodução

Cachorros terapeutas foram levados pela Igreja Luterana para confortar sobreviventes do atentado em Las Vegas, nos EUA. Os cães tem visitado escolas, pessoas internadas no Sunrise Hospital and Medical Center e feito vigílias em homenagem aos mortos. São 19 golden retriever que estão lá para ajudar as famílias a suportarem esse momento difícil. “Os cães tem um ótimo senso para perceber quando as pessoas estão feridas”, afirmou Tim Hetzner, o criador do projeto. “Eles simplesmente chegam e se deitam no colo das pessoas.” Desde então, a internet não resistiu ao carinho e à atenção dos cachorros terapeutas. Foi a forma que a igreja encontrou para ajudar as vítimas do massacre a lidar com o stress pós-traumático.

Foto: Reprodução

O ataque em Las Vegas foi no último domingo. 58 pessoas e 500 ficaram feridas depois que o atirador Stephen Paddock abriu fogo durante um festival de música. Os cachorros agora visitarão os serviços de emergências para ajudar a aliviar o estresse de funcionários. Segundo Hetzner, a organização começou o trabalho em agosto de 2008 com quatro cachorros. Agora, tem mais de 130 em 23 estados, que já estiveram em tragédias como a da escola Sandy Hook, Orlando e o furacão Harvey.

Araci: Encomende sua feijoada com Prof. Joelma; ajude no tratamento de Laurinha

06 de out de 2017 às 19:14 | em: Araci,Filantropia

Foto: Ilustração

Neste domingo (08), a professora Joelma estará entregando feijoada na casa das pessoas que fizerem sua encomenda. “Quem quiser contribuir pra ajudar minha filha a recuperar a saúde, ajude-nos comprando uma quentinha de feijoada, custa apenas R$ 10 reais. Estou precisando conseguir o dinheiro para fazer a ressonância magnética de Laurinha. Ficarei grata a todos!“, disse ela. Façam seu pedidos via whatsapp: (75) 998613911.

Foto: Prof. Joelma e Laurinha

Relembre o caso

Toda a cidade de Araci ficou sabendo do acidente que ocorreu com a filha da professora Joelma no dia 07/07/2017. Ela levou uma queda na escada de casa e foi submetida a uma craniotomia de alto risco. “Com as graças de Deus e as orações de todos vocês minha filha sobreviveu, mas, estamos passando por muitas dificuldades financeiras, devido ao preço dos medicamentos que ela toma para curar as sequelas, e quando saímos do hospital nada mais é pelo SUS tudo é pago, consultas com neuro, exames de imagem (tomografias, ressonâncias) todos caros”, disse a professora.

Feijoada em apoio à menina Laurinha é sucesso em Araci

Araci: Feijoada beneficente da Laurinha será domingo (17); Prof. Joelma agradece

 

Jovem de Araci lança projeto “Doe brinquedo e faça uma criança feliz”; contribua

06 de out de 2017 às 09:53 | em: Araci,Filantropia

Foto: Reprodução

O jovem Michel Carvalho, 19 anos, estudante do CEIC em Araci, iniciou uma campanha para arrecadação de brinquedos em Araci. “Você pode doar um brinquedo para ajudar crianças carentes do dia das crianças? Entre em contato comigo que vou buscar em sua casa“, disse ele ao site A Voz do Campo. O contato de Michel é: 75 9 9203-7022. Os brinquedos serão doados na zona rural de Araci no dia 12 deste mês. Contribua.

Araci: Menina Micaelly tem leucemia e precisa de doação de sangue tipo O Positivo ou Negativo; ajude

03 de out de 2017 às 09:17 | em: Araci,Filantropia

Foto: Divulgação

A menina Micaelly, que é araciense, tem leucemia e precisa de doação de sangue tipo O Positivo ou Negativo no Hospital Clériston Andrade, em Feira de Santana. Viviane Moura, tia da menina, entrou em contato com o site A Voz do Campo e pediu que o site compartilhasse a história desta pequena lutadora com a população. Micaelly tem 5 anos e neste mês de Setembro de 2017 descobriu que tem leucemia. Ela é filha de Gideane e Michel. A menina é neta do conhecido mecânico e eletricista Zoinho da Oficina.

Foto: Divulgação

A família pede ajuda a todos que residirem em Feira de Santana para que façam a doação no Hospital. Para quem mora em Araci, Viviane informa que haverá um carro saindo da cidade. Façam contato pelo celular ou whatsapp: 75 9 9164-9680 ou 9 91344081. “Pedimos que ajudem com doações de sangue e também com orações. Que Deus dê em dobro a todos vocês“, disse a tia.

Empresário se comove e dá aparelho médico para ex-ator Gerson Brenner

28 de set de 2017 às 16:38 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

Solidariedade. Um empresário comovido doou o equipamento médico que o ex-ator Gerson Brenner, de 57 anos, precisava para facilitar sua locomoção. O homem, que preferiu não se identificar, fez a doação depois do apelo que a mulher de Brenner, a psicóloga Marta Mendonça, fez no programa “Balanço Geral”, da TV Record. Brenner tem dificuldade na fala e na locomoção desde que foi vítima da violência urbana em São Paulo, em 1998. Ele foi baleado na cabeça em um assalto na Rodovia Ayrton Senna, aos 38 anos de idade, poucas horas antes da gravação de sua última cena na novela “Corpo Dourado”, da TV Globo. Ele interpretava o personagem Jorginho. A bala atravessou o lado esquerdo do cérebro e ficou alojada na altura da nuca. O suspeito de atirar contra Brenner foi preso somente 11 anos e meio depois.

“Um anjo”

A mulher dele, Martha agradeceu pela doação do equipamento e afirmou ao UOL: “graças a Deus apareceu um anjo”. “Foi tudo muito rápido, em 24 horas ele [o empresário] entrou em contato [para fazer a entrega]”, disse ela, que está casada há 18 anos com o ex-ator. O aparelho é nomeado como “elevador para remoção de pacientes” (com até 150 quilos) e o seu preço varia entre R$ 3.890 mil e R$ 5 mil. Questionada se os amigos da época em que o marido trabalhava na televisão dão apoio ou ligam para saber como Brenner está, Marta resumiu em uma única frase. “A maioria some, infelizmente, porque faria um bem enorme ao Gerson”, disse.

História

O grande papel do ator na TV foi o de Gerson, um dos três filhinhos de Dona Armênia (Aracy Balabanian) em “Rainha da Sucata” (1990). Ele atuou ainda em “Lua Cheia de Amor” (1990). “Perigosas Peruas” (1992), “Vira Lata” (1996), dentre outras novelas e minisséries.

Estudantes arrecadam lacres de latas e compram cadeira de rodas para idosa

25 de set de 2017 às 16:40 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

Alunos de uma escola de Santa Catarina, se uniram e conseguiram comprar uma cadeira de rodas para uma aposentada que teve um AVC e perdeu parte dos movimentos do corpo. O ato de solidariedade dos estudantes da Escola Adventista de Joinville – unidade Bom Retiro – arrecadou cerca 300 mil lacres de latas de alumínio. Com o dinheiro da venda do material, eles compraram a cadeira de rodas. A aposentada Maria de Lourdes (foto abaixo) recebeu a doação no último dia 17 de setembro. O nome dela estava na lista de espera da Associação de Deficientes Físicos de Joinville (ADEJ), que conta com a ajuda de doadores. Durante a entrega da cadeira, Dona Maria de Lourdes agradeceu muito e mandou beijos para as crianças que a ajudaram e aos pais dos alunos que acompanhavam o momento.

História

Esse é o segundo ano consecutivo que a instituição promove a campanha com as crianças. A iniciativa ocorre em conjunto com a Coleta Lacre, uma iniciativa de divulgação de campanhas de coleta desses materiais recicláveis e que incentiva os coletores a fazer a troca por cadeira de rodas. Segundo a Coleta Lacre, uma campanha sozinha pode demorar de três a seis meses para conseguir uma cadeira de rodas, porém, com a divulgação dos voluntários, em 30 dias eles conseguem arrecadar 140 quilos – cerca de 465 mil lacres –, o equivalente a 1,6 cadeiras de rodas. Os equipamentos são doados para associações de deficientes físicos. A entrega foi durante a 2º Feira do Empreendedor Solidário, promovida pela Escola Adventista do Bom Retiro.

Homem que mora no Espírito Santo procura familiares em Barrocas

20 de set de 2017 às 09:36 | em: Barrocas,Filantropia

Foto: Reprodução

O senhor José Avelino da Silva Filho, de 59 anos, conhecido por Coco mora na cidade de Santa Leopoldina no Espírito Santo e está procurando por seus familiares na região sisaleira da Bahia. Segundo as informações de seu filho, chamado Júnior da Silva repassadas ao site Cival Anjos, que é pai da garotinha Helena Schaeffer da Silva, de 3 anos, que está no braço do senhor José Avelino (foto tirada há 2 anos), seu pai tem cerca de 29 anos que foi embora da Bahia para solo capixaba. O nome do pai é José Avelino da Silva, conhecido por Zé da Onça, já falecido. Mãe Regina Apolônio da Silva. E de acordo com informações, moravam na região de Santa Rosa, em Barrocas-Ba. Nome dos irmãos de Coco: Domingos Avelino da Silva, José Raimundo Avelino da Silva, Lúcio Avelino da Silva e José Carlos Avelino da Silva. Júnior também informou  ao site Cival Anjos que seu pai é primo de Dermeval Ventura, que trabalha em uma rádio na Bahia. Podendo se tratar do técnico da rádio Continental AM de Serrinha. Telefone e WhatsApp de Júnior, para contato com seu pai: (27) 99716-3779 (Operadora Vivo).

Aos 8 anos menino já salvou 5 pessoas no mar

19 de set de 2017 às 14:12 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

Este menino é mais que lindo. É um herói. Steffan Williams, de apenas 8 anos de idade, já salvou 5 pessoas no mar, mais do que a maioria das pessoas consegue salvar durante a vida inteira. E todos os salvamentos foram no final das férias do garoto, de New Quay, na Inglaterra. Os banhistas foram surpreendidos com a alta da maré e ficaram em rochas perto da estação de salva-vidas em New Quay, Ceredigion. O primeiro resgate ocorreu no fim do mês passado, quando Steffan viu as pessoas de pé sobre as pedras. Ele passou com seu caiaque e ajudou a transportá-las com segurança até a praia. O segundo resgate foi no início deste mês quando a maré subiu e deixou meninos em perigo, também nas rochas, pedindo por socorro. Steffan viu os jovens e remou em seu caiaque para ajudá-los. Eles disseram que estavam presos, com frio, fome e seus celulares ficaram sem bateria. Steffan voltou para a praia e acionou o alarme da guarda costeira. O barco salva-vidas costeiro de New Quay chegou a tempo e levou os meninos em segurança.

Filho de peixe

Steffan tem um grande interesse pela segurança marítima. Ele é membro do Crannog Surf Life Saving Club e seu pai, Huw, está na tripulação do barco salva-vidas. Steffan disse: “Eu simplesmente ajudei quando pudesse “.

‘Geladeira solidária’ disponibiliza alimentos de graça em SP

15 de set de 2017 às 16:37 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

Disponibilizar alimentos para quem não tem condições de comprar é uma iniciativa que tem dado certo com o projeto de uma geladeira solidária em São Carlos (SP). Marmitas, pão, bolachas, bolos, iogurte, refrigerantes e frutas são algumas opções encontradas no local. O eletrodoméstico fica ligado 24h anexo a um centro espírita na Rua Jesuíno de Arruda, na região central. A ideia é que as pessoas que possam ajudar abasteçam a geladeira com alimentos. Quem precisa, pode retirar o que desejar. Mas para doar comida, é preciso respeitar algumas regras. Tudo tem que estar embalado e dentro do prazo de validade, constando a data de fabricação na embalagem, assim como uma descrição do alimento. Também não é permitido colocar bebidas alcoólicas. “De vez em quando trago alguma coisa, como bolachas e frutas. Fico muito feliz de ajudar com o que eu posso. Nunca tinha visto uma geladeira comunitária, é uma excelente ideia, poderia ter mais”, disse a aposentada Maria Aparecida Garcia Ferreira Rossini, de 73 anos.

Projeto

O projeto é uma iniciativa da cozinheira Vera Lúcia Deponte. Aos 66 anos, ela contou que o sonho era antigo e que finalmente pôde concretizá-lo com ajuda de algumas pessoas. Uma delas, por exemplo, doou a geladeira. Vera aproveita os dotes culinários para preparar marmitas com arroz, feijão, carne de panela, peixe, lasanha, vatapá, entre outras opções. “O que compro para colocar em casa é o que disponibilizo aqui também”, disse. Um dos voluntários no projeto, o economista Antonio Otavio Simões Moita Filho, de 46 anos, disse que se preocupa com as pessoas que se servem no local porque muitas delas não têm condições, principalmente por causa do desemprego. “Muitas vezes a gente coloca em porções familiares porque hoje está faltando mistura, o que a gente quer na verdade é que as pessoas tenham certeza que aqui vão encontrar uma solução, pelo menos naquele momento, para uma fome, uma necessidade imediata”, disse. Segundo o economista, os voluntários têm procurado apoio de empresas da cidade que se interessem em ajudar de alguma forma, como pagar uma conta de supermercado, por exemplo. A geladeira é abastecida diariamente. “Tem gente que para o carro aqui com marmita. Faz bolo, separa metade para dividir, toda ajuda é bem vinda para matar a fome de quem não tem nada para comer”, disse.

Menina de 13 anos salva oito vidas com doação recorde de órgãos no Reino Unido

13 de set de 2017 às 15:46 | em: Filantropia,Mundo

Foto: Reprodução

Jemima, de Somerset (Reino Unido), morreu em 2012 de um aneurisma cerebral, mas sua contribuição só foi revelada nesta semana pelo sistema de saúde britânico, o NHS. Graças à permissão dos pais da criança, foram doados o coração, o pâncreas, os pulmões, os rins, o intestino delgado e o fígado de Jemima. Os pais se lembram dela como uma menina inteligente, caridosa e criativa. “Temos certeza de que ela ficaria muito orgulhosa do seu legado”, disseram. O Departamento de Sangue e Transplantes do NHS assegurou que nenhum outro doador havia ajudado tanta gente antes. Jemima sofreu um desmaio enquanto ajudava a organizar a festa de aniversário de 38 anos da mãe. Quatro dias depois, ela morreu no Hospital Infantil de Bristol, na Inglaterra. O coração, o intestino delgado e o pâncreas foram transplantados para três pessoas diferentes, enquanto outras duas pessoas receberam os rins. Seu fígado foi dividido em dois e transplantado para outras duas pessoas, e seus dois pulmões foram para o mesmo paciente. Normalmente, uma doação pode alcançar até 2,6 transplantes – portanto, o número de oito vidas salvas é muito incomum.

“Especial e única” 

A mãe de Jemima, Sophy Layzell, que é professora de teatro, e seu pai, Harvey Layzell, diretor de uma empresa de construção civil, disseram que sabiam que a garota queria ser doadora porque conversaram com ela sobre o assunto algumas semanas antes de sua morte. O tema surgiu depois que um conhecido da família morreu em um acidente. “A pessoa que morreu estava registrada como doadora, mas devido às circunstâncias de sua morte, seus órgãos não puderam ser usados”, lembrou Sophy. “Jemima nunca tinha ouvido falar de doação de órgãos antes e achou isso estranho, mas entendeu o quão importante isso era”, acrescentou. A mãe confessa que a decisão de doar os órgãos da filha foi difícil, mas era a escolha correta. “Todo mundo quer que seu filho seja especial e único, e isso, entre muitas outras coisas, nos faz sentir muito orgulhosos dela”, disse a mãe. “Pouco depois da morte de Jemima, vimos um programa de TV sobre crianças à espera de um transplante de coração”, lembrou. Isso nos fez perceber que dizer ‘não’ seria negar a outras oito pessoas a chance para a vida, especialmente no que diz respeito ao coração de Jemima, o qual Harvey se sentiu desconfortável de doar naquele momento. Mas depois do programa, soubemos que era a decisão correta”, concluiu. Os pais de Jemima dizem acreditar ser muito importante conversar com as crianças sobre a doação de órgãos. Com a irmã de Jemima, Amelia, de 17 anos, eles coordenam hoje a ONG The Jemima Layzell Trust, que ajuda jovens com danos cerebrais e também promove a doação de órgãos. “O instinto de qualquer pai é dizer não, estamos programados para proteger nosso filho. Mas foi nossa conversa prévia com Jemima que nos permitiu dizer sim”, disse o casal.

Aluno cria máquina para pessoas em coma “falarem”

08 de set de 2017 às 14:20 | em: Filantropia

Foto: Reprodução

Um aluno brasileiro de 18 anos ganhou um prêmio internacional por criar uma máquina para ajudar pessoas em coma ou estado vegetativo a se comunicarem. Luiz Fernando da Silva Borges foi um dos destaques na Intel International Science and Engineering Fair (Intel Insef) em julho nos EUA, uma das mais respeitadas feiras nas áreas de ciência e tecnologia. A feira destaca trabalhos desenvolvidos por jovens antes de ingressarem no ensino superior e esta foi a terceira participação de Luiz Fernando.

Coma

O aluno – do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul – lembra que algumas pessoas em coma não são capazes de movimentar nem os olhos, mas estão conscientes. Por isso ele decidiu criar o Hermes Braindeck, para ajudar essas pessoas a se comunicare. “Propus que criássemos um dispositivo portátil capaz de detectar se a pessoa consegue responder a comando apenas usando seus pensamentos”, disse à Galileu. O programa de computador consegue guiar os pensamentos da pessoa para que sejam convertidos em palavras, sem o uso da visão. “Todo o treinamento do programa para reconhecer estes pensamentos é feito automaticamente, e até mesmo a voz dos familiares do paciente pode ser usada no programa”, relata Borges. O equipamento cabe numa maleta, e seus primeiros testes serão realizados na Santa Casa de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul. As negociações também já começaram no renomado Hospital Albert Einstein, em São Paulo. “Questões éticas dignas de obras de ficção científica virão à tona. Pela primeira vez, pessoas acreditadas inconscientes serão capazes de se comunicar com o mundo exterior respondendo perguntas e soletrando palavras.”

Inspiração

A inspiração de Luiz Fernando para criar o projeto foi a bisavó dele, que ficou um mês em coma antes de falecer. “Minha tia disse que, durante as visitas no hospital, conseguia perceber que ela chorava quando ouvia sua voz”. Como Luiz Fernando sempre se interessou pela área médica e fez um curso técnico de informática, ele percebeu que muitas ferramentas da robótica poderiam ser empregadas para soluções de problemas da área. “Em 2013 conheci o campo das interfaces cérebro-máquina, um conjunto de métodos de como podemos extrair sinais elétricos do cérebro, enviá-los para um programa de computador que os decodifica e os transforma em movimentos”, conta. O ídolo do estudante é o cientista brasileiro Miguel Nicolelis, que usou a tecnologia para fazer com que um paciente paralisado desse o primeiro chute da Copa do Mundo de 2014.

Nível de consciência

Luiz critica a ferramenta dos anos 1970 que mede o nível de consciência de pessoas que sofreram algum tipo de injúria cerebral. Ele diz que a escala conta apenas com avaliações dos atributos motores dos pacientes, o que é um erro, uma vez que já é sabido que muitas pessoas em coma ou em estado vegetativo são capazes de ouvir e compreender instruções, mas não conseguem mover os músculos. Além disso, Borges afirma que a forma com que as pesquisas brasileiras são avaliadas é retrógrada. “O fato de eu ter feito grande parte da pesquisa com 17 e 18 anos é o primeiro problema para a academia brasileira, baseada em um sistema de castas que pontua cientistas pelo volume de suas publicações científicas, e não de sua qualidade. Isto explica o baixo impacto que certos setores da academia brasileira têm no cenário mundial de produtividade”, opina. Essa foi a terceira vez que Borges participou da Intel Insef. Em 2016, levou o Brasil à primeira vitória na categoria de engenharia biomédica e, como um dos prêmios, batizou um asteroide com seu nome, o 33503 Dasilvaborges. Além do de Borges, mais 20 projetos brasileiros participaram da feira. saíram vencedores também dois projetos nas categorias de ciências das plantas (de Maria Eduarda de Almeida, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul) e engenharia ambiental (de Juliana Davoglio Estradioto, da mesma instituição).

Padeiros ilhados fazem pães e doam para vítimas do furacão

04 de set de 2017 às 16:53 | em: Filantropia,Mundo

Foto: Reprodução

O gesto desses padeiros foi mais doce do que os pães que fizeram. Os quatro profissionais mexicanos ficaram ilhados, presos na padaria durante a tempestade da semana passada, provocada pelo furacão Harvey, nos EUA. Na hora em que eles sairiam do emprego, a água estava alta demais nas redondezas da padaria El Bolillo Bakery, em Houston, Texas – que não foi atingida pela enchente. Como não tinham alternativa naquele momento, em vez de ficarem parados, os padeiros decidiram fazer o que sabem de melhor: assaram centenas de pães para suas vítimas do furacão. Eles prepararam o pan dulce – uma espécie de pão doce mexicano – durante o dia e a noite. Quando foram resgatados, os padeiros já estavam com tudo pronto.

Solidariedade

Em vez de voltar pra casa ele arregaçaram as mangas de novo e foram fazer a boa ação: Os cozinheiros colocaram os pães em caixas de papelão e passaram os dois dias seguintes distribuindo os em abrigos de emergência ao redor da cidade. Não foi mais doce o gesto do que o próprio pão? Tem muita gente boa nesse mundo!