Com medo de ameaças, Jean Wyllys desiste de mandato e deixa o Brasil

24 de jan de 2019 às 16:26 | em: Brasil,Política

Foto: Reprodução / Folha de S. Paulo

Nesta quinta-feira (24), o deputado federal reeleito Jean Wyllys (PSOL-RJ) anunciou  que não vai tomar posse para o novo mandato, previsto para começar em 1º de fevereiro. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o parlamentar alegou que recebe ameaças e teme por sua vida. Ele ainda afirmou que deixará o país. Em seu perfil no Twitter, Wyllys agradeceu aos eleitores e afirmou que preservar sua integridade também é uma forma de luta. “Preservar a vida ameaçada é também uma estratégia da luta por dias melhores. Fizemos muito pelo bem comum. E faremos muito mais quando chegar o novo tempo, não importa que façamos por outros meios! Obrigado a todas e todos vocês, de todo coração. Axé!”, postou. Caso assumisse, a nova legislatura seria seu terceiro mandato parlamentar consecutivo, em que se elegeu com 24 mil votos. Jean já está no exterior, de férias, e disse que não pretende retornar ao Brasil. A vaga deixada por Jean será assumida por David Miranda (PSOL-RJ), segundo informou o site da Câmara dos Deputados. Miranda também tem a pauta LGBTI+ como causa de atuação. Em entrevista à Folha, Jean afirmou que tem recebido muitas ameaças e que o fato de ser desafeto público do presidente Jair Bolsonaro (PSL) o deixa em situação ainda mais delicada. Outro fator citado por ele diz respeito ao fato de familiares de um ex-PM suspeito de chefiar a milícia investigada pela morte da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, e do motorista Anderson Gomes. “Me apavora saber que o filho do presidente contratou no seu gabinete a esposa e a mãe do sicário”, afirma Wyllys. “O presidente que sempre me difamou, que sempre me insultou de maneira aberta, que sempre utilizou de homofobia contra mim. Esse ambiente não é seguro para mim”, acrescenta. O parlamentar afirmou ao jornal que pretende se dedicar à vida acadêmica, investindo em um mestrado, mas não revelou para onde pretende ir. O deputado que está nos últimos dias de atual legislatura – que se encerra em 31 de janeiro -, afirmou que o nível de tensão em que tem vivido é muito alto é que a decisão não foi fácil, principalmente, pela privação da vida com familiares e amigos. Mas, considerou que a situação estava insustentável. “Como é que eu vou viver quatro anos da minha vida dentro de um carro blindado e sob escolta? Quatro anos da minha vida não podendo frequentar os lugares que eu frequento?”, afirmou ao jornal.

Como você se sentiu com este conteúdo?
Curti
Curti Amei Feliz Surpreso Triste Raiva

Clique aqui para seguir nossa página no Facebook.