BR-116/Norte: A rodovia da morte onde a duplicação virou política em troca de votos

25 de nov de 2018 às 17:55 | em: Br 116,Felipe Sales

Foto: Divulgação | SECOM BR

Em 2014, antes das eleições, o então governador Jaques Wagner anunciou em evento que a duplicação de lotes da BR 116 teria um investimento de R$ 2 bilhões. Em 2014, o site Bahia Notícias informou que a duplicação da BR-116 começaria no final de setembro. Segundo o então Superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT), o primeiro lote, de Feira de Santana até Serrinha, ocorreria ainda naquele ano. Os demais lotes precisariam de licitação.Estes lotes passariam por Euclides da Cunha e Teofilândia. A duplicação seria feita até a divisa com Pernambuco e contemplaria ao todo mais de 400 quilômetros. Em Janeiro de 2017, segundo o site Bahia Já, o prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo de Carvalho esteve em audiência no Palácio da Alvorada, em Brasília, com o presidente Michel Temer. Ronaldo pediu “atenção especial” a Temer quanto a duplicação da rodovia que liga Feira de Santana a Serrinha.  O presidente disse que determinaria estudos sobre o assunto, já é uma pauta antiga em Brasília, mas que nada de concreto ficou fechado.

Foto: A Voz do Campo

Com apoio de Lúcio Vieira Lima (MDB), o prefeito de Serrinha foi a Brasília em novembro de 2017 para pedir pela duplicação da BR-116/Norte (relembre aqui). Em dezembro, o DENIT começou a implantar placas  sobre a duplicação. A obra teria um investimento de 275 milhões de reais e um prazo de 45 meses a partir de novembro de 2017. Os municípios afetados pelo Lote 05 seriam: Santa Bárbara, Lamarão, Serrinha e Teofilândia, onde o lote finaliza (ver). A obra começou no ano das eleições presidenciais (relembre). Em junho de 2018, o prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins Filho, esteve em Brasília e anunciou que a obra perderia verbas (relembre). No período eleitoral, o ministro dos Transportes, Valter Cassemiro, esteve em Feira de Santana e anunciou que a Duplicação continuaria, com frente de serviço começando da cidade (ver). Após as eleições, o que o cidadão vê é a redução da quantidade de maquinários e funcionários na obra. A redução foi de mais de 60%. Poucos são os trechos com maquinário.  “A duplicação está desacelerada”, dizem os políticos regionais.

Foto: Leitor A Voz do Campo

Neste domingo (25), um acidente entre carreta e ônibus escolar deixou jovens músicos mortos e dezenas de pessoas feridas na BR-116/Norte, entre Serrinha e Santa Bárbara (relembre aqui). Uma ultrapassagem perigosa teria causado o acidente. Na região, os congestionamentos e acidentes são muito frequentes. Este acidente é mais um, dentre outros tantos nesta rodovia. Todos poderiam ter sido evitados se a duplicação não fosse um projeto exclusivamente político. A BR-116/Norte é a principal artéria de transporte do País. Por isso uma frase virou retórica no Território do Sisal: “a rodovia da morte tem um projeto de duplicação que virou política em troca de votos”.

Autor do texto: Artigo de autoria do arqueólogo e gestor ambiental Felipe S. Sales. Este artigo expressa as opiniões e os dados do autor.

Clique aqui para seguir nossa página no Facebook.